quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Ore pelos cristãos no Egito

Já se passaram dois meses desde que os cristãos coptas em uma aldeia no Alto Egito sofreram uma sequência traumática de eventos que terminaram em abuso policial
Reuters-Egypt-Christians_2711.jpg
As vítimas ainda não receberam qualquer justiça por parte das autoridades de segurança do Estado que infringiram a lei e violaram os direitos humanos de seus cidadãos.

Em 16 de setembro, na aldeia de Deir al-Gabal Teir, forças de segurança egípcias emboscaram várias casas coptas no meio da noite. Eles roubaram e destruiram pertences das famílias antes de arrastar e agredir dezenas de moradores.  Ações policiais como essas fazem com que os cristãos egípcios sofram perseguição não apenas da população civil local.

A ação das forças de segurança puniram coletivamente os aldeões em resposta a uma manifestação iniciada por um grupo de coptas no dia anterior. Eles protestaram do lado de fora da estação na intenção de pressionar a polícia para investigar o desaparecimento que, ocorrera quase duas semanas antes, da cristã Iman Morqos Saroufim, de 39 anos. Após duas semanas de procuras infrutíferas por parte da família e de autoridades, centenas de coptas se manifestaram em frente à delegacia, protesto se que tornou violento. A partir dessa noite, a polícia passou a atacar e perseguir aldeões que participaram do manifesto.

No final de setembro, Saroufim voltou à família, relatando que havia fugido de seu cativeiro e que havia sido sequestrada por um muçulmano que a obrigara a mudar de religião.

Em uma reunião entre o ministro do Interior, Mohamed Ibrahim e uma delegação copta da governadoria Minya, Ibrahim prometeu compensar os proprietários das casas por quaisquer danos.
FonteCharisma News
TraduçãoJunia Vasconcellos

Nenhum comentário: