quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

A Igreja Perseguida da Colômbia abençoa a Igreja no Brasil

10 dez 2014COLÔMBIA

Todos os anos, a Portas Abertas Brasil tem o privilégio de receber alguns de nossos correspondentes internacionais. De 19 de novembro a 9 de dezembro, o pastor colombiano Pablo Rodriguez* nos visitou, abençoando-nos com seu testemunho
10_Colombia_Pablo
Recife (PE); São Luís (MA); Salvador (BA) e nosso escritório em São Paulo receberam o pastor que há mais de 20 anos enfrenta a perseguição religiosa em seu país. Ele relatou as ameaças e perigos que envolvem o seu ministério e o quanto ele e sua família são gratos pelo apoio da Portas Abertas e da Igreja brasileira.
Por compartilhar o evangelho em sua região, um vilarejo muito pobre onde os grupos armados assumiram total controle, sua esposa e filhos têm recebido ameaças constantemente. “Mas graças a Deus, ele tem nos colocado a salvo, minha vida foi poupada várias vezes. Muitos pastores têm sido assassinados por não deixarem de pregar o evangelho”, disse ele. “Igrejas foram fechadas e mesmo o governo não pode fazer nada”.
Duas filhas de Pablo foram enviadas a um abrigo sustentado pela Portas Abertas, para que não fossem pegas pelas FARCs. Ele conta que elas receberam um calhamaço de cartas do Brasil e o quanto isso fez diferença na vida delas. O quanto suas filhas e outras crianças e adolescentes do abrigo ficaram felizes.
O propósito da vinda de nossos contatos e colaboradores do campo, de membros da Portas Abertas Internacional ou de colaboradores de outras bases de desenvolvimento é estimular a Igreja brasileira a se engajar na causa de nossos irmãos e irmãs perseguidos. A Missão Portas Abertas agradece a Deus pela vida do pastor Pablo e sua vinda ao Brasil.
A você que o recebeu em sua igreja, que participou da visita do pastor Pablo para ouvir o seu testemunho, conhecer o trabalho da Portas Abertas e saber mais sobre a Igreja Perseguida:
Muito obrigada!
Nós, da Portas Abertas Brasil e os cristãos perseguidos continuamos contando com o seu apoio.

Nenhum comentário: