segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Líderes cristãos indígenas pedem oração

Em regiões indígenas da Colômbia, os cristãos são perseguidos pelas autoridades locais, por pregarem o evangelho e irem contra a cultura e os rituais tradicionais. Mesmo assim, muitos têm se convertido ao Senhor. Um trio de jovens líderes cristãos conta com a sua oração
01_colombia_0280100144.jpg
Mario* é um jovem da etnia Arhuacos que, após ter sido expulso por causa de sua fé em Jesus, encontrou refúgio em La Palestina, comunidade de cristãos indígenas deslocados. Lá, ele foi recebido de braços abertos. "Eu cresci na fé durante o tempo em que eu estive aqui", disse ele. "Tudo foi melhor do que eu pensei que seria. Deus tem um plano para a minha vida nesta comunidade." Atualmente, Mario ensina 42 crianças na escola construída com o apoio da Portas Abertas.

Seu desejo é retornar para sua comunidade, reencontrar seus parentes e ensinar-lhes o evangelho.

Juntamente com Felipe Caicedo* e seu irmão, o pastor Henry Caicedo*, Mario é um líder na comunidade. Devido à sua liderança e reputação como evangelistas, os três têm enfrentado perseguição das autoridades tradicionais, que os acusam de querer mudar as suas tradições e opõem-se à pregação do evangelho em territórios indígenas.

Os ataques trouxeram mais união entre os irmãos; no entanto, Felipe, Mario, e Henry pedem oração, porque eles estão em uma área isolada e carecem de apoio espiritual.

Pedidos de oração
  • Ore por estes três líderes da comunidade, para que o Senhor lhes dê sabedoria e os capacite a orientar as famílias deslocadas.
  • Peça pelas comunidades que expulsaram os cristãos, por todos que continuam a perseguir os ensinadores da Palavra, para que eles também venham a conhecer o Senhor.
  • Interceda também para que a Portas Abertas seja capaz de fornecer aos cristãos recursos bíblicos, treinamento, cuidado e apoio pastoral.
  • Clame para que Mario consiga voltar para a sua aldeia e tenha a oportunidade de compartilhar as boas novas de Jesus Cristo.
*Nomes alterados por motivos de segurança.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

Nenhum comentário: