quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Paquistão está há quatro anos sem resolução

21 jan 2015EGITO

Na última quinta-feira, 15 de janeiro, a polícia do Paquistão solicitou que o julgamento de assassinato do Ministro das Minorias Religiosas, Shahbaz Bhatti, fosse transferido para um tribunal militar recém-formado
21_Egito_QMIAGENCY
Bhatti, que era cristão, foi morto a tiros em frente à sua casa, em Islamabad, em março de 2011, por exigir reforma da lei sobre blasfêmia, que permite a condenação à morte por insulto ao profeta islâmico Maomé, um tema extremamente sensível no Paquistão.
De acordo com a agência de notícias francesa AFP, ainda hoje "o julgamento por assassinato tem, no entanto, sido prejudicado por ameaças de extremistas. A polícia espera que a condução do caso em um tribunal militar fechado acelere o processo e reduza a interferência dos radicais."
"Enviamos um pedido oficial ao Ministério do Interior," um oficial da polícia disse à AFP sob condição de anonimato. O principal suspeito do crime é Omar Abdullah, que também é suspeito de ser um agente da Al Qaeda no país.
O nome de Bhatti é frequentemente citado no caso da cristã paquistanesa Asia Bibi, primeira mulher a ser condenada à morte no Paquistão, justamente sob as exigências da lei de blasfêmia no país (leia mais aqui).
FonteWorld Watch Monitor
TraduçãoAna Luíza Vastag

Nenhum comentário: