quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Abram as fronteiras para meu povo!

09 fev 2015IRAQUE

Assim como a maioria dos iraquianos, o líder cristão, chamado de irmão Douglas, passou por muita coisa difícil em sua vida. Ele morava em Bagdá quando sua igreja foi arrasada em um bombardeio. "Dois líderes da comunidade morreram no ataque", relembra ele. "Um deles era meu líder espiritual e eu trabalhava com o outro." Douglas quase não sobreviveu em outra situação e compartilha: "Os extremistas atiraram em mim com uma metralhadora, acertaram meu pescoço e além de tudo me sequestraram. Fui mantido refém por nove dias, torturado e perdi quase todos os meus dentes." Ele fica em silêncio por um tempo e muda o assunto. Estava claro que não queria mais falar sobre o que viveu
09_Iraque_0260100625
"No ocidente, as pessoas acham que somos heróis, que lutamos e escolhemos ficar em nossas comunidades. Com frequência, nos perguntam se queremos permanecer no Iraque", relata Douglas. "Essa é uma pergunta boba. O que você pensa sobre isso"? As pessoas são expulsas de suas casas e precisam fugir. Suas casas desaparecem de suas vidas. Estão cheios de dor e tristeza...e então são questionados se querem permanecer ou ir embora. Deixe-me perguntar uma coisa: quer trocar de lugar conosco?"
"Existem ainda aqueles que dizem que deveríamos permanecer e lutar até a última gota de nosso sangue. Mas se morrermos defendendo nossas casas e nossa história no local, não poderemos fazer mais nada, poderemos?" Os iraquianos ainda lutam com a questão se devem ou não sair de suas localidades.
"Você conhece os dez mandamentos, certo? Nós temos um décimo primeiro: não saiam, mas sim permaneçam. Qualquer um que deixa o Iraque é culpado de ter abandonando o país e contribuindo com o desaparecimento da Igreja. Os que fogem, lutam com um grande sentimento de culpa e isso não é bom! O Evangelho é sobre pessoas não sobre estados ou ideias humanas. Não impute a eles culpa, mas sim, abram as fronteiras para meu povo!"
Gratidão
Apesar de tudo, os refugiados iraquianos ainda confiam no Senhor? Ou eles se sentem abandonados por Ele?  "Ninguém está culpando Deus", afirma Douglas. "Eles são gratos por ainda estarem vivos e além de tudo oram muito "Precisamos de muita oração para prosseguirmos. Ore por nós, que estamos desesperados. Experimentamos muita dor e passamos por tempos difíceis. Por favor, ore por nós. Ore pela volta de Jesus. Nos encorajem a perseverar"!
"Cremos que seremos vencedores como cristãos no Iraque porque pertencemos ao único professor que existe, Jesus Cristo. Um dia, perdoaremos e esqueceremos aqueles que nos perseguiram. Nós acreditamos nisso e não abriremos mão de nossa fé. Nunca abriremos mão dela!  Mas nos perguntamos quanto tempo isso durará e quando esse sofrimento terminará. Pessoas estão morrendo aqui e o governo está assistindo. Existem dois tipos de governos aqui: o do Iraque e o do Curdistão, mas não estão fazendo nada. Nada, nada, nada. Absolutamente nada. Repito, abram as fronteiras para meu povo!"
Graça
Então, o padre solenemente fecha os olhos. Pronuncia sua oração cuidadosamente e com uma voz poderosa repete: Sem a Tua graça não conseguimos sobreviver, Senhor. Mesmo que haja comida suficiente e bons medicamentos. Venha sobre nós com Tua graça. Obrigado pela Sua graça que nos permitir ver que Tu estás realmente aqui e que Tua força também se faz presente. Vemos o agir do Teu Santo Espírito trabalhando em nossas vidas. Somos fracos, mas pertencemos a Ti, somente a Ti. O seguiremos em todo o tempo. Amém."
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoVera Haddad

Nenhum comentário: