segunda-feira, 9 de março de 2015

#MulheresdeValor 3: Cuba

08 mar 2015CUBA

Em Cuba, a liderança feminina é o grande trunfo do avivamento que tem se espalhado por toda a ilha. No início da década de 1990, a igreja cubana possuía cerca de 70 mil cristãos. Hoje, 25 anos depois, ela está prestes a chegar a um milhão
08_Cuba_0150000029
Esse grande e rápido crescimento é creditado ao ministério feminino. Boa parte das centenas de milhares de casas-culto espalhadas pela ilha são dirigidas por mulheres e, apesar da perseguição, elas têm sido corajosas e enfrentado tudo por amor a Jesus e à visão de alcançar Cuba para Cristo, desde as limitações e restrições impostas pelo governo até as necessidades materiais, que parecem se multiplicar para os cristãos.
Um grupo de cristãos brasileiros visitou recentemente o país e conheceu duas mulheres que têm impactado a ilha com a mensagem do evangelho. Uma delas é a missionária Rosália*. Essa irmã largou o pouco de conforto que possuía em Havana, capital do país, para ir para o interior da ilha e iniciar um trabalho pioneiro em uma região muito pobre e afastada da capital, no norte da ilha.
O trabalho missionário começou com a evangelização de porta em porta até que uma família de novos convertidos abriu sua casa para a construção ilegal de uma casa-culto. Aos poucos, Rosália começou a ver novos frutos e hoje a igreja começa a ampliar sua tenda.
Isso não significa que tudo esteja sendo fácil. Rosália é constantemente ameaçada e já foi multada algumas vezes por causa das construções ilegais da casa-culto. O número de convertidos já ultrapassa a média de cem pessoas por casas-culto cubanas e o desafio atual é construir um espaço para as atividades com as crianças que têm se achegado à igreja e também iniciar um novo projeto missionário em um bairro conhecido por sua forte religiosidade africana.
A outra irmã que o grupo de brasileiros conheceu é a pastora Maria*. Ela impactou grandemente o grupo de viajantes por suas atitudes de abnegação e humildade. Maria recebeu o grupo com amor e carinho e fez de tudo para que os brasileiros se sentissem bem. Sua igreja está em uma região que foi duramente afetada pelo ciclone que arrasou Cuba há pouco mais de três anos. Sua casa-culto clandestina guarda as marcas daquele evento até hoje, pois a pastora não possui recursos para a reforma.
Enquanto o culto de recepção aos cristãos brasileiros estava acontecendo, uma chuva não muito forte chegou e logo as infiltrações e goteiras começaram a aparecer. Em um ato humilde e singelo, a pastora tomou um pano e um rodo e começou a secar o chão, sem se importar que um dos brasileiros estivesse ministrando a palavra. Ela não sentiu vergonha por se sujeitar àquela situação e o que mais ansiava era poder dar um pouco de conforto para os brasileiros. O testemunho pode parecer simples, mas aquele pequeno gesto tocou o coração dos brasileiros, que ficaram muito comovidos com a cena.
Deus tem levantado mulheres idôneas e de valor por todos os países onde os cristãos são perseguidos e elas têm sido a força motor para o avanço do evangelho nesses países. No sul do México não é diferente.
FonteRevista Portas Abertas

Nenhum comentário: