quarta-feira, 6 de maio de 2015

Culto de Páscoa é interrompido por extremistas hindus na Índia

06 mai 2015ÍNDIA

Interrompendo o culto de domingo de Páscoa no dia 5 de abril em uma igreja da Índia, uma multidão de extremistas hindus pendurou duas bandeiras saffron* nas instalações da igreja e solicitou que o pastor os acompanhasse até o templo
06_India_Barnabas
Quando os cristãos tiraram as bandeiras, a multidão de extremistas hindus se reuniu e ergueu uma nova bandeira saffron na igreja, localizada em Makthal Mandal no estado de Telangana da Índia.
Os hindus radicais mandaram o pastor parar o culto de Páscoa e ir até o templo Hindu com eles. "Os extremistas me bateram, chutaram e me ofenderam verbalmente por causa da minha fé, enquanto me levavam ao templo", disse o pastor Christopher Meesaul.
Mais tarde, a polícia resgatou o pastor e permitiu que ele retornasse ao culto de celebração da Páscoa.
Relatório sobre Liberdade Religiosa
Em relatório realizado no dia 30 de abril, a Comissão dos Estados Unidos sobre a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) concluiu que "comunidades cristãs, de muitas denominações, reportaram um aumento do assédio e da violência no último ano, incluindo violência física, incêndios, profanação de igrejas e bíblias e interrupção de serviços religiosos".
Este aumento do abuso verbal e físico ao longo do último ano é, em grande parte, atribuído à vitória eleitoral do nacionalista hindu, BJP (Bharatiya Janata Party) em maio de 2014. A omissão da polícia também é citada como causadora deste aumento da violência anticristã, criando um "clima de impunidade".
Apenas na semana passada, líderes cristãos indianos divulgaram um comunicado à imprensa em Bangalore, no dia 24 de abril, condenando as palavras de Munna Kumar Shukla, secretário geral do Partido nacionalista Akhil Bharatiya Hindu Mahasabha, que disse que o governo deveria proteger e até mesmo dar prêmios a pessoas que atacam igrejas.
*A bandeira saffron é a bandeira oficial do hinduísmo e um dos seus símbolos mais importantes.
FonteBarnabas
TraduçãoLetícia Epifanio

Nenhum comentário: