domingo, 31 de março de 2013

“Vejam as minhas mãos e os meus pés. Sou eu mesmo!” disse Jesus


“Vejam as minhas mãos e os meus pés. Sou eu mesmo! Toquem-me e vejam; um espírito não tem carne nem ossos, como vocês estão vendo que eu tenho". Tendo dito isso, mostrou-lhes as mãos e os pés. E por não crerem ainda... ele lhes perguntou: "Vocês têm aqui algo para comer?" Deram-lhe um pedaço de peixe assado, e ele o comeu na presença deles. Lucas 24.39-43

Após a sua ressurreição, Jesus voltou para o Pai, ascendendo em seu corpo glorificado perante os olhos maravilhados dos seus discípulos. Sua ascensão é relevante para a Igreja porque ensina sobre o seu poder sobre a vida e sobre a morte e nos lembra de sua segunda vinda, que está bem próxima. Sim, Ele voltará!

E, ainda hoje, assim como os discípulos naquela ocasião, na maioria das vezes não cremos, Jesus continua nos dizendo: “Vejam as minhas mãos e os meus pés. Sou eu mesmo!” E, como a amigos com quem tem relacionamento e intimidade, pergunta se temos algo para lhe oferecer, para saciar sua fome.

Jesus instaurou uma realidade irreversível ao sair da sepultura para comer peixe assado com seus amigos. Realidade irreversível, segundo a qual homens e mulheres, naturais desta terra conhecida, que comem assados e outras coisas viverão para sempre. É uma realidade futura, mas certa, irreversível! Certa porque deu certo no passado com Jesus, que sendo natural desta terra foi morar no céu depois de comer com seus amigos. Se há uma combinação que não tem erro é: Jesus, amigos e comida. (Pr. Márcio Sarraf de Almeida)

O fato de ter feito isso, comer com seus amigos, ainda nos ensina sobre comunhão, nos ensina que dar-lhe de comer é dar de comer ao nosso irmão; que vestir-lhe é vestir o nosso irmão. Coisas simples, coisas que podemos fazer, coisas que devemos fazer!

A humanidade de Jesus nos dá um vislumbre de como seria a nossa, caso ela não houvesse sido manchada pelo pecado. Ele nos mostra que o problema com a humanidade não está em sermos humanos, mas em sermos caídos. A natureza humana de Jesus mostra o potencial da humanidade tal como Deus intencionou. Essa demonstração da humanidade sem pecado reafirma a declaração de Deus de que a criação, incluindo a humanidade, é, por definição divina, muito boa e destinada a boas obras.

A humanidade de Jesus fez dele um Sumo Sacerdote empático, que entende a difícil condição da humanidade em um mundo caído; por causa de sua humanidade, ele pode verdadeiramente ser um sacrifício substitutivo pela raça humana. Um homem morreu na cruz quando Jesus morreu, e a sua morte verdadeiramente é a expiação pelo pecado de seres humanos, de cuja natureza ele participou.

A humanidade de Jesus significa que ele é um verdadeiro exemplo e modelo para o caráter e a conduta dos homens. “Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos.”

Que neste período onde celebramos a Páscoa, possamos ajudar a quem precisa, estender as mãos ao nosso próximo, ao nosso irmão de sangue, ao nosso irmão em Cristo, aos nossos irmãos perseguidos por amar a Cristo. E, por que não, oferecermos a eles um peixe assado!

Feliz Páscoa! 
Redação: Junia Vasconcellos

Cristãos buscam paz em meio às comemorações da Páscoa


Shola Igbari, um líder religioso, pediu aos cristãos para manter a paz com seus vizinhos durante a Semana Santa; Henry Kwasu, outro representante cristão, aconselhou os nigerianos a cultivar o hábito de perdoar e orar de acordo com os ensinamentos de Jesus Cristo

Em Abuja, Nigéria, Igbari disse que a Semana Santa era um "tempo para oração, reflexão e relacionamento espiritual". Ele pediu aos cristãos para intercederem diante de Deus por paz e segurança no país após a recente onda de ataques terroristas e assassinatos em algumas partes do Estado.

O governo da África do Sul também compartilhou a sua mensagem de Páscoa:
"Esse é o momento que o mundo celebra a vida e a morte de Jesus Cristo, especialmente sua crucificação e ressurreição. Os sul-africanos também participam das celebrações anuais da Páscoa de várias maneiras.

Ao considerar este festival religioso importante, o Congresso Nacional Africano quer que todos os cidadãos vivam uma solução pacífica e satisfatória nesse final de semana de Páscoa. Para muitos sul-africanos, esta é uma época importante e tem um significado religioso caracterizado por cultos cristãos e reuniões de comunhão. Para outros, é um período para ligar e passar um tempo com seus entes queridos. Queremos garantir que este período seja celebrado no verdadeiro espírito do cristianismo".
Lembre-se dos cristãos na África durante a Páscoa, eles contam com a sua intercessão. Ore com eles!
FonteAll Africa
TraduçãoAna Luíza Vastag

sexta-feira, 29 de março de 2013

Ascensão do Islã, na Tanzânia, ameaça cristãos durante celebração da Páscoa


Nos últimos quatro meses, uma série de ataques contra os líderes da Igreja na Tanzânia deixaram nossos irmãos da África Oriental preocupados com o futuro da liberdade religiosa. Cristãos locais têm solicitado orações em prol da paz e da reconciliação mediante essa situação de violência

Um aumento repentino da violência contra os cristãos na Tanzânia deu lugar ao que Todd Nettleton, porta-voz da organização Voz dos Mártires nos EUA, explicou: "Houve ameaças a respeito do período de celebração da Páscoa, o que nos preocupou muito".

Outra forma de intimidação faz parte de uma propaganda recente: "Aparentemente, tem circulado folhetos que incentivam os cristãos a atacar os muçulmanos em retaliação à violência sofrida. Se isso for levado a sério, acontecerá uma reviravolta em plena Semana Santa ou no próprio Domingo de Páscoa”, disse ele.

Nettleton atribui parte desse levante a uma mudança: "Alguns desses muçulmanos que atacaram os cristãos participam ativamente na ascensão do islamismo radical no país. Existem algumas evidências de ligações entre muçulmanos radicais na Tanzânia - particularmente na ilha de Zanzibar e al Shabaab, na Somália". De fato, por onde passam, militantes islâmicos parecem estar empenhados em exterminar todos os cristãos. Em muitos lugares foram registrados diversos ataques a igrejas, líderes cristãos, ameaças de morte e assassinatos de fiéis.
“Mais recentemente”, Nettleton acrescenta, "nós estamos sofrendo mais perseguição na Tanzânia do que nos últimos anos. Essa situação direcionou para nós a atenção de organizações que monitoram a liberdade religiosa e a perseguição ao redor do mundo." Ele refere-se à Portas Abertas e à Classificação de países por perseguição, na qual, a Tanzânia, que nunca esteve na lista antes, agora ocupa a 24ª posição dentre 50.

A situação levanta a seguinte questão: estes eventos isolados são sintomas de um problema maior ou não? “Cristãos estão preocupados e cautelosos”, compartilhou Nettleton. "Um dos meus colegas de trabalho foi à Tanzânia na semana passada a fim de incentivar e reunir-se com cristãos que já enfrentaram perseguições. Há, definitivamente, uma preocupação sobre o que vai acontecer.
No entanto, ele continua a dizer, "uma das coisas que impacta a propagação do Evangelho é a maneira como os cristãos respondem à perseguição." Por exemplo, a viúva de um dos líderes assassinados da Igreja, é mãe de 12 crianças. Com o marido morto, ela não pôde mais permanecer no presbitério da congregação. De uma só vez, ela perdeu seu marido e sua segurança.” Mesmo assim, ela perdoou os assassinos de seu marido. "Basicamente, ela repetiu as palavras de Cristo na cruz: ‘Pai, perdoa-lhes porque eles não sabem o que estão fazendo’ (Conforme Lucas 23.34). O perdão pode, realmente, ser a semente do Evangelho, porque é uma coisa sobrenatural, não é uma resposta humana à perseguição", afirmou Nettleton.

"É essa resposta incomum que faz com que os perseguidores perguntem: ‘Como você pode responder dessa maneira? Como você pode responder com amor às pessoas que mataram seu marido?’ E, assim, uma semente do Evangelho é plantada!”, concluiu ele.

Ore para que a pressão dos extremistas islâmicos chegue ao fim e a liberdade de religião seja protegida. Líderes da Igreja nas ilhas Zanzibar e Pemba precisam de proteção e segurança; peça ao Senhor para que os cristãos tenham coragem de compartilhar o amor de Deus com os muçulmanos e, interceda por esse período de Páscoa.
FonteMission Network News
TraduçãoAna Luíza Vastag

Rebeldes tomam capital da República Centro-Africana


Após insurgentes assumirem o controle da capital Bangui, o presidente fugiu do país. Igrejas e casas de cristãos foram saqueadas e destruídas

Neste final de semana, membros da coalizão denominada Seleka tomaram o poder da capital Bangui, República Centro-Africana, o que resultou na fuga do presidente Bozizé. Fontes locais disseram à Portas Abertas que os rebeldes chegaram à proximidade de 12km da cidade, quando um helicóptero de ataque do Exército os empurraram de volta para Damara, a cerca de 76km de distância. Mesmo assim, os insurgentes se reagruparam e progrediram mais 30km em direção à capital. Em seguida, a Portas Abertas foi informada que eles haviam avançado mais 12km. No domingo, a cidade foi tomada.

Assim que os militantes se aproximaram, os civis fugiram. Alguns atravessaram o rio Ubangui em balsas pequenas, enquanto outros pegaram o caminho por Camarões. A ONU, a UNICEF e outras ONGs também deixaram o país. Moradores que não puderam fugir da cidade - incluindo um colaborador da Portas Abertas (nome não revelado por questões de segurança) - estão tentando manter-se seguros dentro de casa.

A cidade foi lançada na escuridão quando linhas de energia foram cortadas. No fim de semana, alguns contatos telefônicos ainda eram possíveis, mas não está definido por quanto tempo esse serviço ainda estará disponível. Os preços dos alimentos subiram 80%, instantaneamente.

Colaboradores da Portas Abertas têm se preocupado com a população cristã local, que parece particularmente vulnerável ​diante de tais circunstâncias. Relatos de testemunhas revelam o grave desrespeito pela vida humana e as propriedades dos cidadãos (principalmente no caso de cristãos). A organização recebeu a notícia de que ao menos um pastor foi morto e várias igrejas foram destruídas no processo de tomada do poder.
A França indicou que vai reforçar a sua presença no país a fim de proteger cidadãos franceses e pediu aos rebeldes para manterem a calma e mostrarem respeito pela população local.
Pedidos de oração• Ore pela proteção de Deus sobre os cristãos que moram em Bangui.
• Peça a Deus por força e encorajamento para o Corpo de Cristo que enfrenta dias tão incertos.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

Número de igrejas cristãs no Iraque cai drasticamente em dez anos


Em 2003, quando os Estados Unidos invadiram o Iraque, havia 300 igrejas e 1,4 milhão de cristãos no país. Entretanto, atualmente, dez anos depois, somente 57 igrejas e cerca de meio milhão de fiéis sobrevivem a ataques islâmicos, segundo William Warda, da Organização de Direitos Humanos Hammurabi
De acordo com o jornal Asharg Al-Awsat, desde o início da guerra, as igrejas cristãs têm sofrido ataques de extremistas, com ofensivas e uso de bombas, mortes, tortura e conversão forçada para o islã, que contribuem com a queda do número de cristãos no país.

Warda explica que "os últimos dez anos têm sido os piores para os cristãos iraquianos, porque testemunharam o maior êxodo e migração na história do Iraque". A maioria dos cristãos teve de abandonar suas casas e procurar abrigo fora do país para tentar reconstruir suas vidas.

Os cristãos foram, durante todos esses anos, alvos de ataques da Al-Qaeda, além de ficarem no fogo cruzado dos conflitos entre os curdos e os xiitas e sunitas.

Youkhanna Kanna, um político cristão, afirma que os cristãos no Iraque "são os principais construtores da região em todos os níveis. Eles, sem dúvida, desempenharam um significante papel no Iraque atual, mas o que aconteceu após a mudança foi que o sistema de cotas sectárias e étnicas permitiu blocos de grande porte monopolizar decisões políticas".

Os Estados Unidos devem "racionalizar a sua política para lidar com o fracasso dos governos e proteger os cristãos e outras minorias e para garantir a aprovação de leis especiais para impedir a impunidade após incidentes de motivação religiosa", afirma a Aliança Evangélica Mundial.

Mais de 95% da população do Iraque é muçulmana, sendo que 65% são xiitas e o restante é sunita. A política iraquiana foi, durante muito tempo, dominada pelos sunitas até a queda de Saddam Hussein, em 2003.
FonteThe Christian Post

Vítimas de ataque na Nigéria continuam firmes na fé


"Eles querem impedir-nos de viver e professar a nossa fé em Cristo, mas eles nunca conseguirão! Este incidente só serviu para nos aproximar ainda mais de Deus", compartilhou Francis Maina, de sua cama de hospital, com a Portas Abertas
Às 16h20 do dia 22 de fevereiro, dois homens armados, suspeitos de pertencerem ao grupo radical Boko Haram, abriram fogo contra cristãos que estavam reunidos na casa de uma família na vila Urshalima (Gombe, Nigéria): seis homens morreram e outros oito ficaram feridos. A família realizou o sepultamento de Adamu, Hamma, Yohanna B., Amana, Monday, Adamu Umaru na quinta-feira (28/02). A Portas Abertas visitou os oito feridos no Centro Médico Federal poucos dias após o ataque. Além disso, as famílias afetadas foram ajudadas financeiramente.
Ao que parece, islâmicos extremistas do Boko Haram estão utilizando esse clima de medo e terror para remover, de uma vez por todas, o cristianismo do norte da Nigéria, com o objetivo de estabelecer a Sharia (lei islâmica). Mas, embora a Igreja esteja profundamente entristecida pela perda de inúmeras vidas desde o início do levante contra os cristãos, em novembro de 2011, permanece cheia de esperança.
Mesmo diante dessa situação, Deus tem permitido que os cristãos reflitam e se organizem em grupos de ajuda mútua, o que tem proporcionado o crescimento de sua fé e testemunho. Líderes cristãos permanecem gratos pela preocupação sincera e o apoio que cristãos de todo o mundo têm dado a eles por meio da Portas Abertas.
"A Portas Abertas tem sido a nossa parceira mais próxima em Gombe. Esse ministério fortaleceu o corpo de Cristo em grande medida; sentimo-nos amados nesse momento tão difícil. Através dessa organização, nós pudemos ver que cristãos do mundo todo compartilham a nossa dor como se fosse a sua própria. Em todas as vezes que nos encontramos nesta situação trágica, a Portas Abertas foi a primeira a demonstrar o amor de Deus. Somos muito gratos! Que o Senhor os abençoe abundantemente, em nome de Jesus", disse o evangelista Musa.
Os colaboradores da Portas Abertas que participaram da visita voltaram para casa encorajados e esperançosos, ao lembrar do testemunho de Francisco, por exemplo: "Eu sei que Jesus vai me levantar desta cama de hospital. Estou confiante de que, por meio do corpo de Cristo, que está ciente da nossa situação e está orando por nós, o poder de Cristo vai unir povos de todas as cores, nacionalidades e denominações. Que as bênçãos do Senhor sejam derramadas sobre esse ministério", declarou ele.
Pedidos de oração
  • Ore pelas famílias que perderam seus entes queridos, para que elas possam receber o conforto e a paz do Senhor.
  • Peça por sabedoria para os líderes da Igreja no Estado de Gombe.
  • Interceda em favor do restabelecimento da paz no norte da Nigéria; para que a violência chegue ao fim.
  • Apresente a Deus a Igreja no norte da Nigéria e ore para que os cristãos permaneçam firmes durante esses tempos difíceis e incertos.
  • Lembre-se de pedir ao Senhor por proteção para as equipes que viajam por essas regiões instáveis ​​a fim de incentivar e ajudar os cristãos necessitados.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

terça-feira, 26 de março de 2013

Abra Meus Olhos Para Que Eu Possa Contemplar

John Piper
John Piper é um dos ministros e autores cristãos mais proeminentes e atuantes dos dias atuais, atingindo com suas publicações e mensagens milhões de pessoas em todo o mundo. Ele exerce seu ministério pastoral na Bethlehem Baptist Church, em Minneapolis, MN, nos EUA desde 1980.

1 Samuel 23,15-18
Salmos 119:17-24
17 Sede generoso para com o teu servo, para que eu viva e observe vossa palavra. 18 Desvendai meus olhos, para que eu contemple as maravilhas de vossa lei. 19 Sou peregrino na terra; não escondais de mim vossos mandamentos. 20 Consumida está a minha alma por desejar, incessantemente, vossos juízos. 21 Repreendestes os soberbos; malditos os que se desviam de vossos mandamentos. 22 Tirai de sobre mim o opróbrio e o desprezo, pois tenho guardado vossos testemunhos. 23 Assentaram-se príncipes e falaram contra mim, mas vosso servo meditou em vossos decretos.24 Com efeito, vossos testemunhos são meu prazer, meus conselheiros.
Trilhos paralelos no caminho de nossas almas
Quando começou o ano de 1998, o desejo de Deus para nós é que tivéssemos o propósito de viajar numa ferrovia de dois trilhos em direção à santidade, ao amor, à missão e ao céu. Os dois trilhos deste trem são oração diante do trono de Deus e meditação na Palavra de Deus. Alguns de vocês podem se lembrar da segunda página do livreto de nossa Declaração missionária: a dinâmica espiritual, que afirma o seguinte: "Unimo-nos ao Deus Pai para magnificar a supremacia de sua glória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo no poder do Espírito Santo, por apreciar tudo o que Deus é, amar tudo o que ele ama, orar por todos os seus propósitos, meditando em toda a sua palavra, sustentado por sua graça".
Orar diante do trono de Deus e meditar na Palavra de Deus são como trilhos paralelos que capacitam o trem de nossas almas a permanecer na direção que leva à santidade e ao céu. Precisamos renovar nosso zelo por oração e meditação na Bíblia no princípio do ano. Tudo envelhece, esgota-se e enfraquece sem o reavivamento, renovação e restauração. Assim, durante a Semana de Oração que temos na igreja, em todo ano, fixamos nossa atenção nesses atos grandiosos e preciosos para reacender nossa paixão pela oração e pela Palavra.
Três fatos para aprender do Salmo 119:18
Este ano, as duas mensagens que se encaixam na Semana de Oração procedem do Salmo 119:18: "Desvendai meus olhos, para que eu contemple as maravilhas de vossa lei". Esse versículo combina oração e a Palavra - e precisamos ver como - para que possamos combiná-las desse modo em nossas vidas e em nossa igreja. Há três fatos que aprendemos nesse versículo.
  • Há maravilhas na Palavra de Deus. "Desvendai meus olhos, para que eu contemple as maravilhas de vossa lei". A palavra "lei" é a Torá e significa "instrução" ou "ensino" nesse salmo. Há fatos maravilhosos no ensino de Deus para nós. Realmente, eles são muito maravilhosos e quando você os vê concretamente, eles o mudam profundamente e tornam possíveis a santidade, o amor e missões (2 Coríntios 3:18). Por essa razão, ler, conhecer, meditar e memorizar a Palavra de Deus são tão cruciais.
  • O segundo fato que aprendemos nesse versículo é que ninguém pode ver essas maravilhas como são exatamente sem a ajuda sobrenatural de Deus. "Desvendai meus olhos, para que eu contemple as maravilhas de vossa lei". Se Deus não abrisse nossos olhos, não veríamos a maravilha da Palavra. Não somos naturalmente capazes de vermos a beleza espiritual. Se lêssemos a Bíblia sem a ajuda de Deus, a glória dele nos ensinos e eventos da Palavra seria como o sol brilhando na face de um homem cego. Não que não se possa construir um significado superficial para ela, mas não se pode ver a maravilha, a beleza, a glória da Palavra sem que ela conquiste seu coração.
  • Algo que nos leva ao terceiro fato que aprendemos nesse versículo é: precisaríamos orar a Deus por iluminação sobrenatural quando lêssemos a Bíblia. "Desvendai meus olhos, para que eu contemple as maravilhas de vossa lei". Uma vez que somos incapazes, por nós mesmos, de vermos a beleza espiritual e a maravilha de Deus nos ensinos e eventos da Bíblia sem a graciosa iluminação de Deus, deveríamos pedir-lhe por isto: "Abri meus olhos".
Uma verdade de três passos
Na próxima semana, planejo focar nas maravilhas da Palavra de Deus e na prática como podemos introjetá-las em nossa mente e coração. Mas, hoje focarei na oração. Desejo que possamos ver essa profunda verdade de três passos: a Palavra é fundamental para viver uma vida em direção a Deus que conduz ao céu e tem poder e sentido na terra. Não podemos mesmo ver o que a Palavra realmente é sem a ajuda sobrenatural de Deus. E, portanto, precisamos ser um povo de oração diária, e Deus faria o que quisesse para aplicar as maravilhas da Palavra em nossos corações e em nossas vidas.
Vamos tomar estes três passos, um de cada vez, e vê-los confirmados e ilustrados em outras partes da Bíblia.
1. A Palavra é fundamental para a vida de santidade
O primeiro fato é compreender a Palavra, conhecê-la e tê-la em nós como fundamento para viver uma vida de santidade, amor e poder para os propósitos de Deus.
Olhe em retrospecto para o versículo 11: "Guardo no coração vossa palavra, para não pecar contra vós". Como então evitamos o pecado em nossas vidas? Por valorizar a Palavra de Deus em nossos corações. Quantas pessoas fazem de suas vidas um caos por não meditar, amar e memorizar a Palavra de Deus! Você quer ser santo; isto é, você quer poder para vencer o pecado e viver uma vida de piedade radical, amor sacrificial e devoção completa à causa de Cristo? Então embarque nesta estrada. Deus ordenou uma direção para a santidade e poder: e essa direção é valorizar a Bíblia em nossos corações.
Digo isso aos idosos e aos pais dos jovens. Meditem, memorizem e nutram os mandamentos, conselhos e promessas de Deus nas Escrituras. Não, não digo que isso seja fácil, especialmente quando se está idoso. Mas a maioria das coisas que são dignas de serem feitas não são fáceis. Construir uma peça de móvel fino, compor um bom poema, uma grande peça musical, preparar uma comida especial ou celebração — nenhuma dessas coisas é fácil. Mas vale a pena fazê-las. Uma vida boníssima não vale a pena ser vivida?
Talitha tem agora dois anos de idade e está começando a aprender versículos da Bíblia de cor. Ela também está aprendendo formas de oração. Por quê? Porque ter o apuro de dedicar tempo e fazer esforço para repetir sempre a Bíblia para ela? Muito simples: quando for uma adolescente, quero que ela seja piedosa, pura, santa, amável, humilde, generosa, submissa e sábia. E a Bíblia afirma, tão claro como o dia, que essas virtudes procedem da valorização da Palavra de Deus em seu coração. "Guardo no coração vossa palavra, para não pecar contra vós".
Jesus expressa isso dessa forma em sua grande oração por nós em João 17:17: "Santifica-os na verdade. A tua palavra é a verdade". "Santificar" é uma palavra bíblica para a ação de fazer uma pessoa piedosa, amável, pura, virtuosa ou espiritualmente sábia. E essas virtudes desejo para mim mesmo, para meus filhos e para você. Assim, o que devemos fazer este ano? Se formos santificados pela verdade e a Palavra de Deus é a verdade, o que devemos fazer?
Se um doutor afirma: "Você está muito doente e poderá morrer por causa dessa enfermidade, mas se você tomar este remédio ficará bem e viverá" e você se descuida em tomar o remédio. Então, vêm as desculpas: você está muito atarefado, as pílulas são grandes e difíceis de serem ingeridas, você se esquece de as tomar e permanecerá doente e poderá morrer. Da mesma forma acontece com o pecado e a imaturidade espiritual. Se você negligenciar o que Deus lhe diz que o santificará e o fará maduro, forte e santo, então você não será maduro, forte e santo. Ler, meditar, memorizar e nutrir-se da Palavra é a direção designada por Deus para vencer o pecado e se tornar uma pessoa forte, piedosa, madura, amável e sábia.
Há maravilhas a serem vistas na Palavra que o transformarão profundamente se realmente as vir e as valorizar em si mesmo.
2. Não podemos ver sem a ajuda de Deus
O segundo fato no texto é que não somos capazes de ver essas maravilhas na Palavra exatamente como elas são sem a ajuda sobrenatural de Deus.
A razão é que somos seres caídos, corruptos e mortos em pecado e, portanto, cegos, ignorantes e insensíveis. Paulo nos descreveu desta forma em Efésios 4:18: "Têm o entendimento obscurecido. Estão alheios à vida de Deus pela ignorância em que estão, pelo endurecimento de seu coração".
Aqui está a forma como Moisés escreveu sobre esse problema em Deuteronômio 29: 2-4: "Chamou Moisés a todo Israel e disse-lhes: Tendes visto tudo quanto o Senhor fez na terra do Egito… os sinais e grandes maravilhas. Porém, o Senhor não vos deu coração para entender, nem olhos para ver, nem ouvidos para ouvir". Note: tendes visto..., porém não se pode ver sem a obra sobrenatural de Deus.
Essa é a nossa situação angustiante. Somos culpados, corruptos, insensíveis, ignorantes e cegos sem a obra de despertamento, estímulo, abrandamento, humildade, purificação e iluminação de Deus em nossas vidas. Jamais veremos a beleza da realidade espiritual sem a iluminação de Deus. Nunca veremos a maravilha e a glória que a Palavra ensina sem que Deus abra os olhos de nossos corações e nos conceda uma percepção espiritual dessas coisas.
A razão para ensinar essa necessidade e conhecê-la é fazer-nos desesperados por Deus e famintos dele e nos levar a suplicar e clamar a Deus por essa ajuda na leitura da Bíblia.
No tópico 2, compare também: Mateus 16:17 com 11:4 e Lucas 24:45; 1 Coríntios 2:14-16; João 3:6-8 e Romanos 8:5-8.
3. Precisamos orar a Deus para que Ele nos ajude a ver
Isso nos leva ao último fato: se conhecer e valorizar a verdade da Palavra de Deus é fundamental para ser santo, amável, maduro e apegado ao céu, e se nós, por natureza, não podemos ver as maravilhas da Palavra de Deus e sentir a atração de sua glória, então estamos em uma condição desesperada e necessitamos orar a Deus para nos ajudar a ver. "Desvendai meus olhos, para que eu contemple as maravilhas de vossa lei".
Em outras palavras, a oração é essencial para a vida cristã, pois ela é a chave para destrancar o poder da Palavra em nossas vidas. A glória da Palavra é semelhante ao brilho do sol na face do homem cego, a menos que Deus abra nossos olhos para essa glória. E, se não virmos a glória, não seremos transformados (2 Coríntios 3:18; João 17:17) e, se não somos transformados, não somos cristãos.
Em Efésios 1:18, Paulo ora deste modo: "Oro para que sejam iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento"... Em outras palavras: Ensinei a vocês essas coisas e vocês as receberam com seus sentidos externos, mas, a menos que vocês percebam a glória delas com vosso sentido espiritual ("os olhos de vosso coração"), não serão transformados. (Veja também Efésios 3:14-19; Colossenses 1:9 com 3:16). Agora, esses são os cristãos para quem ele escreve e demonstra que precisamos continuar em oração até alcançarmos o céu, para que os nossos olhos espirituais possam ver.
Sete tipos de oração para saturarmos nossa leitura bíblica
Mas visto que nosso texto é o Salmo 119:18: "Desvendai meus olhos, para que eu contemple as maravilhas de vossa lei", devemos permitir que esse salmista nos mostre como orar, de modo geral, a respeito da leitura da Palavra de Deus. Assim, permita-me concluir com uma pequena viagem no Salmo 119, a fim de lhe mostrar sete tipos de oração com as quais poderá saturar sua leitura bíblica este ano.
Devemos orar assim:
  1. Que Deus nos ensine sua Palavra. Salmo 119;12b: "Ensina-me vossos estatutos" (Veja também os versículos 33, 64b, 66, 68b, 135). O verdadeiro aprendizado da Palavra de Deus somente é possível se o próprio Deus é o mestre de todos os outros meios de ensino.
  2. Que Deus não oculte sua Palavra de nós, Salmo 119:19b: "Não escondais de mim vossos mandamentos". A Bíblia nos adverte do horrendo castigo ou julgamento da Palavra de Deus que será tomada de nós (Veja também o versículo 43).
  3. Que Deus nos faça entender sua Palavra. Salmo 119:27: "Fazei-me atinar com o caminho dos teus preceitos" (versículos 34, 73b, 144b, 169). Aqui, pedimos a Deus para nos fazer compreender e realizar o que for necessário para nos fazer entender sua Palavra.
  4. Que Deus incline nossos corações para a Palavra, Salmo 119:36: "Inclinai-me o coração aos vossos testemunhos e não à [cobiça]". O grande problema não é primariamente nossa razão, mas nossa vontade — não temos inclinação por natureza para ler, meditar e memorizar a Palavra. Assim, precisamos orar a Deus para inclinar nossas vontades.
  5. Que Deus nos conceda vida para obedecer à Palavra, Salmo 119:88: "Vivificai-me, segundo a vossa misericórdia, e guardarei os testemunhos oriundos de vossa boca". Deus sabe que precisamos de vida e energia para nos dedicar à Palavra e à obediência a ela. Por conseguinte, o salmista pede a Deus por essa necessidade básica (Veja também o versículo 154b).
  6. Que Deus firme nossos passos na Palavra. Salmo 119:133: "Firmai meus passos na vossa Palavra". Somos dependentes do Senhor não apenas para compreensão e vida, mas para o desempenho na Palavra. Que ele firme essa Palavra em nossas vidas. Não podemos fazer isso com nossas próprias forças.
  7. Que Deus nos procure quando nos afastarmos da Palavra, Salmo 119:176: "Ando errante como ovelha desgarrada; procura o vosso servo". É extraordinário que esse homem piedoso termina esse salmo com uma confissão de pecado e a necessidade de Deus vir à procura dele e trazê-lo de volta. Por isso, também devemos orar frequentemente.
A Palavra, nosso tesouro
Concluo que, ao ingressarmos no ano de 1998 almejando ser santos, amáveis e radicalmente compromissados com o propósito de Deus na cidade e nas nações, precisamos ser o povo que valoriza a Palavra em nossos corações, mas mais que isso, pessoas que conhecem nossa condição desesperadora à parte de Deus, e que ele designou a oração como a forma com que nossos olhos serão abertos para ver as maravilhas na Palavra e, desse modo, sermos transformados. "Desvendai meus olhos, para que eu contemple as maravilhas de vossa lei".
Quão sincero o salmista é nesses tipos de orações? Uma resposta é dada no Salmo 119:147: "Antecipo-me ao alvorecer do dia e clamo; nas vossas palavras, espero confiante". Ele acorda cedo! A oração é a principal prioridade. Você fará da oração sua prioridade principal?

Fonte: Desiring God

segunda-feira, 25 de março de 2013

Governo derruba igreja protestante na Indonésia


"Tudo foi ao chão. A igreja foi demolida pouco antes das três horas da tarde", disse o líder cristão Torang Simanjuntak ao Jakarta Post.
Apesar dos protestos de cristãos, funcionários do governo local em Bekasi (Indonésia) demoliram uma igreja protestante após a congregação ter sido proibida, na semana anterior, de realizar cultos em seu prédio. Funcionários citaram a falta de uma "licença de construção", exigida por lei. Na realidade, muitas igrejas operam sem estas licenças, que são quase impossíveis de se obter. Justamente por esse motivo, grupos islâmicos radicais usam a legislação como pretexto para exigir o fechamento de igrejas cristãs. As poucas igrejas que obtiveram a licença, só conseguiram após pagar grandes somas ao governo.
Membros da congregação compareceram ao local na manhã de quinta-feira, na tentativa de impedir a demolição da igreja. Quando agentes da ordem pública chegaram, os cristãos realizavam um culto de oração, esperando que a demolição não acontecesse.
Uma escavadeira avançou de encontro ao prédio às onze horas da manhã. Membros da igreja choravam, enquanto alguns tentaram impedir que o trator se aproximasse. Quando as paredes da igreja começaram a cair, muitos cristãos ainda não podiam acreditar no que estavam vendo. Conversaram com os oficiais, pedindo-lhes para cancelar a demolição, mas não obtiveram nenhum sucesso.
Vários policiais de Bekasi foram mobilizados a fim de acalmar os membros da congregação. Anciãos da igreja também tentaram pacificar o processo. Simanjuntak afirmou que a demolição foi ilegal. "O governador de Bekasi deveria ter nos dado a ordem de demolição primeiro, nós nunca recebemos qualquer carta alertando sobre isso", disse ele.
A igreja tem lutado para obter uma licença de construção, já que foi construída em 1999 e a lei passou a valer em 2006. "Em breve, vamos abrir um processo contra a administração política de Bekasi", informou Torang, acrescentando que os cristãos ainda mantêm seus cultos, perto da igreja demolida.
FonteThe Jakarta Post
TraduçãoAna Luíza Vastag

sábado, 23 de março de 2013

Irã: cristãos na prisão necessitam de tratamento médico


Cristãos iranianos pedem oração por dois irmãos na fé que estão presos, com a saúde debilitada e precisam de tratamento médico
No início do mês, a Portas Abertas publicou a carta que o pastor Saeed Abedini escreveu para a sua esposa da prisão (leia em Detido no Irã, Saeed Abedini escreve carta da prisão). O cristão norte-americano, de origem muçulmana, permanece detido em Teerã após sua condenação por atividades de evangelização no país, consideradas contrárias ao governo. Ele foi condenado a oito anos de prisão e está com a saúde bastante debilitada. Na segunda-feira, 18 de março, autoridades concordaram que ele poderia ser tratado em uma clínica particular; no entanto, ele ainda não foi transferido.
Saeed estava no Irã para visitar seus pais. Em 2009, ele havia sido ameaçado por ministrar estudos bíblicos na casa de cristãos, e por isso focou suas visitas subsequentes ao Irã, em atividades humanitárias. Detido desde 26 de setembro, Saeed Abedini possui cidadania iraniano-americana; sua esposa e filhos o aguardam nos EUA.
Além de Saeed, existem preocupações crescentes sobre a saúde do pastor Behnam, preso em Karaj desde maio de 2011. As autoridades da prisão se recusaram a deixá-lo receber tratamento médico adequado. Ele sofre de problemas intestinais e uma hérnia de disco.

Os cristãos que apoiam esses irmãos e suas famílias agradecem pelas intercessões e pedem por mais oração:
  • Ore para que Saeed e Behnam recebam seus tratamentos médicos em breve e saibam que Jesus está presente em suas vidas a cada dia. Peça para que eles experimentem o Seu toque de cura.
  • Interceda pela esposa de Saeed, Naghmeh, e seus dois filhos; além da esposa de Behnam, Christine, e seus dois filhos. Suas famílias precisam provar a paz que só Jesus pode dar.
  • Peça a Deus para que os pastores sejam libertados da prisão, assim como muitos outros que, atualmente, estão detidos no Irã, unicamente por causa de sua fé cristã.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

Sudão e Sudão do Sul: a perseguição religiosa acontece em ambos os países


A perseguição aos cristãos locais e missionários estrangeiros tem provocado a migração de um número assustador de pessoas: sete milhões migraram do sul para o norte por causa da seca e da guerra no Sudão. Há 47 anos, muçulmanos e não muçulmanos disputam o controle do país, dividido em Sudão (maioria muçulmana) e Sudão do Sul (onde há predominância de cristãos) desde 2011
Em julho de 2011, o Sudão do Sul tornou-se o mais novo país do mundo, ao oficializar sua independência do restante do Sudão. Segundo reportagem da BBC, "o Sudão do Sul nasceu como um dos países mais pobres do mundo, com a maior taxa de mortalidade materna, a maioria das crianças fora da escola e um índice de analfabetismo que chega em 84% entre as mulheres. Embora não haja estatísticas oficiais, a ONU estima que a população do país varie entre 7,5 e 9,5 milhões", ou seja, "nasceu sendo um dos maiores [países] do continente [africano], superando as áreas de Quênia, Uganda e Ruanda somadas."
Economicamente, o Sul do país, de maioria cristã, é mais rico em reserva de petróleo e recursos naturais que o Norte, por isso, nos conflitos de independência, exigia mais autonomia política. Já o Norte, de maioria muçulmana, lutava pela dominação do território sudanês, defendendo a implantação da Sharia (lei islâmica) em todo o país. A soma total de mortos no conflito - encerrado em janeiro de 2005, com um acordo de paz entre o Norte e o Sul do país - é de aproximadamente dois milhões de sudaneses.

Um ano e alguns meses após a decisão de separação do território em dois países distintos, as notícias sobre a região não são nada animadoras. Ainda acontecem muitos ataques mútuos e cristãos do Sudão do Sul têm sofrido com forte perseguição. Há uma semana, a Portas Abertas Brasil soube do caso de um casal de missionários brasileiros que teve de sair do país às pressas e procurar abrigo no Egito para não sofrer retaliações por pregar a Palavra de Deus.

Cristãos pedem oração pelo Sudão do Sul e o Sudão
Cristãos de todo o mundo são convidados a continuar orando pelo Sudão do Sul e o Sudão após a assinatura de um acordo sobre a produção de petróleo. Por meio do documento, decidiu-se que o Sudão do Sul vai retomar a produção de petróleo pela primeira vez, em mais de um ano, conforme relatou notícia da BBC.
A produção de petróleo foi interrompida em janeiro do ano passado, depois de o Sudão e o Sudão do Sul discutirem por uma partilha mais proporcional das receitas do petróleo. Em uma visita à Igreja Mission Society, o líder religioso Anthony Poggo disse que "a disputa entre os dois países já está afetando as pessoas comuns porque os preços têm subido significativamente".

"A construção de boas relações entre o Sudão e o Sudão do Sul é crucial para ambos os países", ele comentou. "Como pessoas que antes formavam um único país, temos de ser, no mínimo, bons vizinhos."
Poggo também levantou preocupações sobre conflitos em Kordofan do Sul, as regiões do Nilo Azul e Darfur, dizendo que a paz nessas regiões é essencial para a paz em todo o Sudão e as relações com o Sul.
Os conflitos em curso têm provocado crises humanitárias que afetam milhares de cristãos. Poggo acredita que a comunidade internacional deve manter a pressão sobre ambos os países para que as soluções para os conflitos sejam encontradas o mais breve possível.

Apesar dos desafios, ele disse que a maioria das pessoas ainda tem esperança de um futuro melhor.
"As pessoas estão contentes por ter um novo país; sentem que são cidadãos de primeira classe em seu próprio país", compartilhou ele. "O importante é que todos estão dispostos a perseverar. Como fizeram no passado, querem permanecer firmes um pouco mais." Ore pelos cristãos nesses dois países!
FontePortas Abertas Brasil e Christian Today
TraduçãoAna Luíza Vastag

Dez anos após o início da guerra, o Iraque ainda sofre com o êxodo de cristãos


Nos últimos anos, a cidade de Kirkuk foi povoada por refugiados cristãos vindos de todo o Iraque, principalmente do sul do país
Há exatamente dez anos o Iraque foi invadido pelos EUA e seus aliados. Independentemente das razões que levaram à invasão do país pelas tropas norte-americanas, já se podia prever que o resultado disso seria dor, sofrimento e perda.
Embora o governo do ditador Saddam Hussein tenha ruído, o que politicamente pode ser considerado um fator positivo, por outro lado a sensação geral de insegurança e medo gerada pelo aumento do radicalismo religioso aumentou.
A maioria dos cristãos que vive em cidades como Mosul e Bagdá teve de abandonar suas casas devido ao aumento da violência sectária. Estima-se que de 1990 até hoje o número de cristãos no país caiu de 1,5 milhão para menos de 400 mil. Quando não fogem para países vizinhos como a Síria, esses cristãos procuram abrigo na região autônoma do Curdistão iraquiano e ali tentam reconstruir suas vidas, deixando para trás tudo, amigos, familiares, trabalho e bens materiais, exceto sua fé em Jesus.
Crianças cristãs e suas vidas duplas no IraqueA pequena Nuria e suas irmãs amam cantar músicas sobre Jesus. Mas, quando as pessoas perguntam se elas são cristãs, elas não sabem o que responder. Ao invés disso, olham interrogativamente para a mãe ou o pai, com aquela expressão de "e agora?".

Nuria tem 6 anos e frequenta uma escola cristã em Kirkuk, no Iraque. Quando seus tios visitam a casa da família, sua mãe esconde tudo o que fizer referência à fé cristã: a cruz na parede, a Bíblia, seus livros de histórias cristãs. A menina sabe que seus parentes são muçulmanos, mas, às vezes, ela esquece. Quando uma das crianças começa a cantarolar uma melodia cristã os parentes repreendem seus pais por não ensinar-lhes canções muçulmanas.
"Em suma, estamos vivendo duas vidas. É muito difícil para as crianças. Somos adultos, e já é complicado para nós vivermos assim; para as crianças é muito pior. Suas próprias personalidades podem ser afetadas", disse a mãe de Nuria.
A menina e sua família são árabes iraquianos que se converteram do islamismo para o cristianismo.
Os pais de Nuria, assim como muitos convertidos no Iraque, lutam para criar seus filhos como cristãos em uma sociedade que só os aceita como muçulmanos. Se as crianças dizem que acreditam em Jesus, elas enfrentam espancamentos e desprezo de seus professores. Como seus documentos de identificação dizem que são muçulmanos, elas não podem se matricular em escolas cristãs e, por isso, são obrigadas a ter aulas de religião islâmica. Da mesma forma, por serem reconhecidas legalmente como muçulmanas, mais tarde, elas só poderão se casar com outro muçulmano, sob ritos islâmicos.
Em um Iraque dividido por questões nacionais e religiosas, não há refúgio seguro para a família de Nuria e outras famílias árabes muçulmanas que se convertem ao Senhor Jesus. Geralmente, as grandes cidades são bons lugares para cristãos se esconderem, longe de famílias extensas e observadores que possam detectar um comportamento estranho, como frequentar a igreja aos domingos. No entanto, vizinhos muçulmanos ou empregadores que descobrem cristãos podem tornar suas vidas insuportáveis.
Há sete anos, os pais de Nuria se tornaram cristãos. A vida era mais fácil antes. Seu pai, um carpinteiro, costumava falar abertamente sobre sua fé. Esses dias, ele não está mais tão corajoso: teve que mudar de emprego muitas vezes porque seus empregadores descobriam sua fé e o perseguiam.

Filhos de cristãos ex-muçulmanos carregam a identificação de muçulmanos em seus documentos, por esse motivo, essas crianças não podem frequentar escolas cristãs. A irmã mais velha de Nuria concluiu o ensino fundamental em uma instituição para cristãos. Antes do início do novo ano escolar, porém, o diretor da escola chamou os pais para dizer-lhes que não poderia assumir a responsabilidade de sua filha ser capaz de terminar o ano letivo alegando que poderia enfrentar punições se fosse descoberto que uma "muçulmana" estuda em um colégio cristão.

"Meus filhos estão sofrendo", disse o pai de Nuria. "Estamos nos mudando de um bairro para outro e meus filhos sofrem as consequências disso. Eu vou colocar as minhas duas filhas em uma escola particular. A igreja vai pagar pelos estudos de uma, e eu vou pagar pela outra."

"Algumas pessoas me dizem que é minha culpa os problemas que enfrentamos, já que eu digo às pessoas que sou cristão", disse ele. "Eu estou tão confuso. Na Bíblia diz que quem nega a Deus em público, também Deus o negará, então o que eu posso fazer?" desabafou o pai de Nuria.

O que atraiu os pais Nuria ao cristianismo foi a liberdade que Cristo oferece. Mas, por conta da perseguição que enfrenta em Kirkuk, a família se sente presa.

A Constituição Federal do Iraque defende que cada indivíduo tem liberdade de pensamento, de consciência e de crença, mas não há nenhum artigo sobre a possibilidade de mudança de religião. Assim, é juridicamente impossível aplicar a liberdade de crença aos casos de convertidos, segundo um advogado cristão iraquiano sob a condição de anonimato.
Assim como Nuria e sua família, milhares de cristãos do Iraque lidam todos os dias com a incerteza e o medo de ataques de grupos radicais islâmicos. Talvez, a única garantia que eles têm é a de que estamos orando para que Deus guarde suas vidas e sua fé.
FontePortas Abertas Brasil e outras agências