terça-feira, 30 de setembro de 2014

O Shockwave 2014 acabou, nossas orações continuam

Shockwave Experience, evento mundial de oração, promovido pelo ministério de jovens da Portas Abertas, o underground, marcou a vida de aproximadamente 2.500 jovens brasileiros no encontro com a Igreja Perseguida, neste último sábado 27 de setembro
30SET14_NoticiaFace_16h.jpg
Para muitos cristãos ao redor do mundo, a perseguição é uma realidade diária e parece interminável. Por sua fé, muitos são ameaçados, torturados e mortos. Desde 2001, o underground, ministério de jovens da Portas Abertas, organiza o SHOCKWAVE, um movimento mundial de oração em que, ao longo do ano, jovens de diversos países se unem em intercessão pela Igreja Perseguida. Durante os dias 26,27 e 28 de setembro, mais de 830 grupos de oração se reuniram em todo o Brasil, para orar pelos cristãos perseguidos.
Shockwave Experience - A alegria do Senhor, marca registrada da Igreja Perseguida e do trabalho da Portas Abertas, foi o ápice desse evento que aconteceu, neste sábado (27), na A.D. Bom Retiro – Barra Funda – São Paulo.
Desafiados a colocar-se no lugar de mais de 100 milhões de cristãos que não têm liberdade para adorar a Deus, jovens de todos os lugares do Brasil se juntaram para conhecer esse mundo real, orar e aprender como agir em favor desses irmãos. Os participantes também puderam sentir um pouco de como seria estar preso num contêiner e ver cenas que representavam a perseguição em contextos diferentes.
Além do recorde de público, cerca de 2.500 jovens, tivemos cerca de 70 voluntários e membros da equipe Portas Abertas, trabalhando com muita disposição. Sem eles o evento não teria êxito. O compromisso e a pontualidade de todos foram fundamentais para a execução de todas as atividades previstas na programação, sendo que muitos vieram de outras cidades e estados.
O cantor cristão Paulo César Baruk, Pr. Zé Bruno e a Banda Resgate, voluntariamente engajados e comprometidos com a causa da Igreja Perseguida fizeram com que os presentes refletissem sobre a realidade da perseguição aos cristãos, que parece tão distante de nós aqui no Brasil. Por várias vezes, o público parou pra orar pelos cristãos perseguidos e no final, Baruk pediu que todos se ajoelhassem para interceder.
A convidada principal do evento, a cantora cristã Helen Berhane - da Eritreia – em sua segunda visita ao Brasil, pela Portas Abertas, contou o seu testemunho. Todos os presentes foram fortemente impactados e encorajados com o seu relato de fé e coragem. Veja a seguir alguns relatos dos participantes do evento:
“Foi lindo poder ver tantos jovens motivados por uma fé genuína, orando ajoelhados.” M. S.
“Essa noite marcou a vida de todos os que estiveram ali. Conhecer a realidade da Igreja Perseguida traz muito temor e responsabilidade.” S.M.
“Foi ‘massa’, ninguém queria ir embora, valeu a pena ficar ali ouvindo e conhecendo um mundo tão real que eu nem sabia que existia.” A.M.
“É maravilhoso poder encher o pulmão respirando o ar dessa liberdade espiritual que há no Brasil e dar vazão à alegria do Espírito Santo. Que bênção poder refletir essa unidade e revelar publicamente a fé, a verdade de Deus. A alegria do Senhor é a nossa força!” Helen Berhane
Shockwave 2015 - Temos a certeza de que sempre é possível melhorar, mas o apoio e a confiança em nós depositados nos dão o respaldo para desejar ir mais além: inovar, ousar e surpreender.  Com o resultado positivo alcançado este ano, estamos certos de que o Shockwave 2015 será ainda melhor e mais impactante e também ficará marcado na história da Igreja brasileira.
Portas Abertas agradece a Deus, em primeiro lugar, e depois a todos que se envolveram e participaram do Shockwave Experience 2014 de forma voluntária, repleta de amor e alegria. “O serviço ministerial que vocês estão realizando não está apenas suprindo as necessidades do povo de Deus, mas também transbordando em muitas expressões de gratidão a Deus.” 2Coríntios 9.12.
Continue nessa onda, orando pelos cristãos perseguidos. Espalhe aos seus amigos, vizinhos e irmãos em Cristo! A Igreja Perseguida precisa de você!

Igreja é convertida à força em templo hindu na Índia

No mês passado, uma igreja localizada no estado indiano de Uttar Pradesh foi transformada em um templo hindu depois de os membros da congregação terem sido forçadamente convertidos ao hinduísmo
30_India_0430101560.jpg
Uttar Pradesh tornou-se alvo de perseguição desde que o partido nacionalista hindu BJP assumiu o poder, em maio deste ano. De acordo com relatos, em apenas quatro meses, cristãos foram atacados mais de 600 vezes na Índia, sob o comando do BJP.

De acordo com a agência de notícias Barnabas Aid, uma antiga igreja na vila Asroi – cerca de 100 milhas a sudeste de Nova Deli – tem funcionado como local de culto para os cristãos dalits, uma das castas mais baixas da Índia.

Durante o ritual de purificação hindu da igreja, uma imagem de Shiva foi levada para o espaço. Os nacionalistas hindus responsáveis divulgaram um vídeo do YouTube e um comunicado à imprensa anunciando que 72 cristãos haviam se tornado hindus.
Pedidos de oração
  • Ore por esses cristãos, para que eles permaneçam firmes no Senhor e possam sair dessa situação.
  • Peça para que esses ataques aos cristãos e às igrejas, na Índia, cessem. 
  • Interceda para que em breve essa igreja possa voltar a ser um local de adoração a Deus. 
FonteWorthy News
TraduçãoDaniela Cunha

Dois pastores são mortos em ataques na República Centro-Africana

Os pastores Thomas Ouanam, de 60 anos, e Pierre Bapteme, de 46, foram mortos com quase uma semana de intervalo em dois ataques atribuídos a rebeldes Seleka
30_CAR_0430101121.jpg
Os pastores foram assassinados juntamente com mais de 100 civis, por membros do Seleka, uma força de coalizão islâmica radical que assumiu o governo centro-africano em março do ano passado e manteve-se no poder até ser deposta em dezembro. Após o massacre, as tropas de paz das Nações Unidas tomaram o controle do país das mãos da União Africana que, por 9 meses, tentou, sem sucesso, gerenciar a crise.
A ONU assumiu a manutenção da paz no país em meio a uma onda de violência que deixou dezenas de mortos, incluindo os dois pastores.
Thomas Ouanam, da Evangelical Church of Brethren, foi morto em 2 de setembro, quando homens armados invadiram o norte da cidade de Nana Bakassa. Os agressores chegaram em motos e, em aproximadamente cinco horas, saquearam propriedades antes de sair da cidade, segundo fontes locais do World Watch Monitor. Três pessoas foram mortas, enquanto outras se refugiaram na mata ou em cidades vizinhas, como Bossangoa. Ouanam deixa esposa e quatro filhos.
No segundo ataque, em 8 de setembro, Bapteme, um diácono e três membros do coro foram mortos a tiros no complexo da Igreja Elim, em Ngakogbo, a 70 quilômetros de Bambari. O local foi palco de confrontos mortais em julho e agosto. Bapteme também deixa esposa e quatro filhos.
Durante o ataque, mais de 100 pessoas foram mortas – algumas com tiros e outras com facões. O massacre também provocou a fuga de moradores aterrorizados em busca de segurança.
Ore pela República Centro-Africana!
FonteWorld Watch Monitor
TraduçãoDaniela Cunha

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Cristãos sofrem severas punições e detenções no Irã

A comunidade cristã iraniana pede orações após as recentes detenções de membros de igrejas domésticas no país, além dos encargos extraordinários impostos contra líderes cristãos
29_Iran_SITE.jpg
Há uma crescente preocupação relacionada às graves acusações levantadas contra os líderes de igrejas no Irã. Em 3 de agosto, o líder da denominação Igreja do Irã, Abdolreza (Matthias) Haghnejad, foi acusado de moharebeh – inimizade contra Deus – um crime que pode levar à pena de morte. Ele já foi acusado de Mofsed-e-filarz – que traduzido significa algo como "espalhar a corrupção na Terra". Esta acusação também leva à sentença de morte.
Outros dois membros da Igreja do Irã relataram terem sido recentemente acusados de Mofsed -e-filarz: Behnam Irani, que está cumprindo uma pena de seis anos por "ação contra o Estado e contra a ordem", que também enfrenta outras 18 acusações; e Reza (Silas) Rabbani, preso em 5 de maio de 2014, que tem sofrido abuso físico nas mãos dos agentes de segurança.
A acusação de Mosfed-e-filarz tem sido aplicada em uma ampla gama de expressões de dissidência política ou religiosa e leva à sentença de morte.
Pedidos de oração
  • Ore para que todos os presos, por causa da fé no Senhor Jesus, reconheçam a presença e o sustento de Deus.
  • Interceda para que as famílias dos que estão presos conheçam a graça, o fortalecimento e apoio do Senhor.
FonteMiddle East Concern

Crianças são presas durante ataque a igreja chinesa

As crianças estavam entre os 100 cristãos chineses detidos após a polícia invadir uma igreja doméstica na província de Guangdong, segundo relatou o International Christian Concern (ICC)
29_China_0250001948.jpg
Os membros da igreja Mount Olivet foram mantidos sob custódia por até 20 horas. Segundo a polícia, eles foram detidos por condução de uma "reunião ilegal".

A igreja de 170 membros foi fundada há 20 anos na cidade de Foshan, na província de Guangdong, sul da China.

De acordo com o ICC, o governo chinês insiste que liberdades religiosas são respeitadas, mas qualquer um que praticar a sua fé em uma igreja doméstica ainda corre o risco de ser preso.
FonteInternational Christian Concern

Lei restringe o funcionamento de igrejas na Hungria

O Fórum Europeu para a Liberdade Religiosa declarou que irá pressionar a Hungria a restaurar o registro oficial de mais de 200 igrejas
29_Hungria_Flag.jpg
A Hungria reconheceu suas igrejas oficialmente em 2011, depois de uma lei que criou duas camadas de igrejas no país, sendo que o nível mais baixo goza de menos direitos. A lei colocou o poder de decisão sobre a qual nível as igrejas pertencem nas mãos do Parlamento. Entre as denominações que foram rebaixadas e, portanto, tiveram seus direitos restringidos, estão a Metodista, a Pentecostal e igrejas adventistas, bem como congregações judaicas reformadas.
O Fórum chamou o movimento de "flagrante violação de um princípio fundamental da liberdade religiosa e dos direitos humanos. Nenhum corpo legislativo deve ter o poder de decidir sobre a liberdade religiosa." O Tribunal Constitucional da Hungria legitimou no início de 2013 que 67 igrejas tivessem o seu registro de funcionamento banido.
Em abril de 2014, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos decretou que a Hungria, nação membro da União Europeia, tem interferido nos direitos fundamentais dos cristãos. O governo da Hungria apelou à Grande Câmara do Tribunal Europeu, mas a decisão do tribunal de primeira instância foi mantida.
Agora, o Fórum diz que vai apresentar uma "intervenção" no dia 30 de setembro, durante reunião da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, com o objetivo de pressionar a Hungria a restaurar o reconhecimento oficial das igrejas rebaixadas, e não permitir que o Parlamento tenha o poder de classificar as religiões.
FonteWorld Watch Monitor
TraduçãoAna Luíza Vastag

domingo, 28 de setembro de 2014

Norte-coreana descobre a vida na Bíblia

Irmã Lee* fugiu da Coreia do Norte para a China em busca de comida para sua família. Ao passar pela fronteira, foi resgatada por um contato da Portas Abertas Internacional, que a abrigou num local seguro
28_NorthKorea_0380003767.jpg
“Eu lhe dei uma Bíblia e ela ficou amedrontada. Como todos os norte-coreanos, ela foi ensinada que o cristianismo é veneno puro. Como eu não quis pressioná-la, apenas deixei a Bíblia por lá. Deus se encarregaria de despertar o seu interesse”, relata a fonte da Portas Abertas.
Ser acolhida numa residência de segurança da Portas Abertas a deixou confusa. Quem eram essas pessoas que a tratavam tão bem? E quem era ela? Assim como outros refugiados na casa, ela estava entediada e via muitos programas de TV, incluindo programas cristãos da Coreia do Sul. Confusa, Lee começou a fazer perguntas: “A Coreia do Sul é um país rico?”, “Quem é Jesus?” Quando as respostas vinham, ela ficava nervosa ao perceber que as pessoas haviam mentido para ela a vida inteira.
Lee foi muito tocada pelas canções cristãs e decidiu receber a Cristo como Senhor e Salvador. E sua fé crescia cada vez mais, conforme ela lia a Bíblia.
Porém, chegou o dia em que a irmã Lee teve que voltar para casa, para a Coreia do Norte. Tinha de evitar que seus familiares fossem castigados ou até mortos por sua causa. Ela sabia que seu governo era conhecido por ser o pior perseguidor aos cristãos.
Como seria muito perigoso levar uma Bíblia, ela decidiu memorizar todo o livro de Romanos para ajudá-la a permanecer firme em sua fé e compartilhar o evangelho com sua família.
Não recebemos mais notícias da irmã Lee desde que ela voltou para a Coreia do Norte, mas as tentativas de encontrá-la e de lhe entregar uma Bíblia continuam. Ela saiu de seu país para encontrar comida, mas também encontrou Jesus.
O país mais opressor aos cristãos
Na Coreia do Norte é ilegal ser cristão. Quando descobertos, os cristãos são, geralmente, enviados para campos de trabalho forçado ou são mortos. O governo não hesita em torturar e matar qualquer um que possua uma Bíblia, quer esteja envolvido no ministério cristão, organize reuniões ilegais, quer tenha contato com outros cristãos (na China, por exemplo). As condições neste país, para os cristãos, ainda são as piores do mundo.
Conheça os demais países que fazem parte da Classificação da Perseguição Religiosa.
*Nome verdadeiro alterado por motivos de segurança.
FontePortas Abertas Internacional

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Dois milhões de civis fogem da violência no Sudão do Sul

"Os civis continuam suportando o impacto do conflito armado em curso, bem como o fracasso de seus líderes para parar a luta", disse a vice-alta comissária da ONU para os direitos humanos
26_Sudao_0270001498.jpg
Apesar de ter diminuído o número de violações de direitos humanos cometidas pelas partes envolvidas no conflito armado do Sudão do Sul, a agência da ONU para os direitos humanos (ACNUDH) informou, nesta quarta-feira (24), que o número de civis obrigados a fugir da violência já se aproxima dos 2 milhões e que não há probabilidade de que essas pessoas regressem às suas casas.
“Os civis continuam suportando o impacto do conflito armado em curso, bem como o fracasso de seus líderes para parar a luta”, disse a vice-alta comissária da ONU para os direitos humanos, Flavia Pansieri, em um painel de discussão do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre o Sudão do Sul, em Genebra.
Pansieri confirmou que desde dezembro de 2013, cerca de 1,5 milhão de pessoas ficaram deslocadas internamente no interior do país, e 400 mil pessoas se refugiaram nos países vizinhos – Quênia, Uganda, Etiópia e Sudão. Além disso, ela alertou que o país atravessa extrema insegurança, além de uma possível escassez de alimentos.
Ao longo do conflito, a Portas Abertas tem divulgado notícias sobre a forte perseguição aos cristãos no Sudão do Sul. A violência já resultou em centenas de vítimas. Em fevereiro desse ano, diversas igrejas foram atacadas e saqueadas no país; e pastores foram presos.
Além disso, ondas de violência obrigam a Portas Abertas a interromper o seu trabalho em algumas regiões do Sudão do Sul. Ore pela segurança da equipe no campo, pelas pessoas envolvidas no trabalho e pela paz no país.
Apesar de todas as dificuldades, vale a pena servir nossos irmãos sul-sudaneses.Participe!
FonteONU e Portas Abertas Internacional

Uso de lei na Malásia restringe a liberdade de expressão

Na Malásia, qualquer pessoa que for flagrada testemunhando a um muçulmano pode ser multada e presa por um período de até dois anos. Mesmo assim, o cristianismo é a segunda maior corrente religiosa do país e a que mais cresce
26_Malasia_0310008259.jpg
O escritório de Direitos Humanos da ONU pediu que as autoridades da Malásia suspendam, imediatamente, as investigações e processos penais que restringem a liberdade de expressão no país.
"Estamos preocupados com o recente aumento do uso da Lei de Sedição de 1948, para prender e processar as pessoas por sua expressão pacífica de opinião na Malásia", disse o porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Rupert Colville, em Genebra.
Desde o início de agosto, pelo menos 19 pessoas, incluindo líderes religiosos, atores da sociedade civil, membros da oposição política e ativistas, um professor universitário e um jornalista foram acusados ou colocados sob investigação por sedição, de acordo com o Escritório do Alto Comissariado (ACNUDH).
Mais recentemente, foi aberta uma investigação contra Edmund Bon, um advogado constitucional e de direitos humanos, por seus comentários em um artigo sobre o uso legal da palavra "Alá". Bon criticou as atuais restrições a membros de outros grupos religiosos (não islâmicos), que não podem utilizar o termo (traduzido como “Deus” em muitas literaturas cristãs, o que faz com que as Bíblias e livros cristãos que usem o termo sejam proibidos no país).
A ONU disse que também está preocupada que as autoridades da Malásia estejam aplicando a lei para silenciar as vozes críticas.
FonteICC
TraduçãoAna Luíza Vastag

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Hoje o pastor Saeed Abedini completa dois anos de prisão

Há dois anos, o pastor Saeed Abedini está preso no Irã por suas atividades cristãs. Naghmeh, a esposa dele, está organizando uma segunda vigília de oração por Saeed e por outras centenas de cristãos que são perseguidos em todo o mundo por sua fé em Jesus Cristo
26_Abedini.jpg
Cristãos ao redor do mundo tem se mobilizado sobre o caso do pastor Saeed. Vigílias de oração estão planejadas para acontecer hoje em mais de 180 cidades dos Estados Unidos, e vários países como Brasil, Uganda, Austrália, Canadá, Chile e outros mais. Confira  a lista completa e participe também!
A esperança é que, por meio das orações, os cristãos perseguidos sejam fortalecidos e sintam que não estão sozinhos. Naghmeh Abedini acredita que essas vigílias facilitarão um mover de Deus entre o Corpo de Cristo, promovendo a união dos cristãos livres de perseguição com os irmãos que sofrem por seguir a Jesus.
“A oração de um justo é poderosa e eficaz.” Tiago 5.16
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

“Não, eu nunca pensei em deixar a Síria”

Fathi* é um dos cristãos que decidiram ficar em Alepo, na Síria, apesar das circunstâncias difíceis. "Todos os dias eu vejo de perto como podemos ajudar as pessoas"
25_Syria_0260010309.jpg
O jovem de aproximadamente 30 anos leva um tempo antes de responder a cada pergunta. Aparentemente, Fathi * é um cara relaxado, em paz. Mas, até onde as aparências podem confundir? Esse homem acabava de chegar da maior cidade da Síria, Alepo, quando um colaborador da Portas Abertas o recebeu no Líbano. Três anos de guerra deixou cicatrizes em seu coração, ele está cansado, mas ainda deseja ficar em Alepo e não quer fugir de seu país.
Fathi é um cristão sírio que desempenha um papel fundamental para ajudar os refugiados da guerra através das igrejas locais apoiadas pela Portas Abertas. “Não, eu nunca pensei em deixar a Síria”, diz ele a um colaborador da Portas Abertas. “Todos os dias eu vejo de perto como podemos ajudar as pessoas.”
Há pouco mais de dois anos, a cidade de Alepo é palco de violentos combates. Recentemente, surgiram rumores de que militantes do chamado Estado Islâmico estão prontos para tomar o controle de toda a cidade.
“É claro, por outro lado penso em minha família. Eu temo por eles, mas não por mim. Nos últimos anos, o Senhor teve de me proteger quando eu fui parado em postos de controle ao passar por certas áreas da cidade e do país. Deus me livrou todas aquelas vezes e vai continuar me ajudando; eu vejo como podemos fazer a diferença através do trabalho que estamos realizando.”
Fathi salienta a importância de “ver a situação toda por um ângulo maior”. “Quando há tiros à esquerda e à direita, edifícios são destruídos, quando você teme por sua vida, visualizar a situação por um âmbito maior ajuda a continuar. Precisamos ir em frente. Fico feliz em ver que é um esforço conjunto de diferentes igrejas e denominações. Não se trata apenas de mim.”
Ele fala sobre o papel dos cristãos na sociedade abalada pelo sofrimento e pela dor. “A comunidade cristã pode ser o ponto de ligação entre o governo e a oposição.” Viver em Alepo é um desafio no momento. “As pessoas estão preocupadas com as necessidades básicas, elas não conseguem enxergar além disso. Dia após dia estamos tentando suprir necessidades como comida, eletricidade e água; este é o desafio de quem vive na Síria.”
Através de igrejas locais e organizações parceiras, a Portas Abertas está ajudando mensalmente mais de nove mil famílias na Síria. Em Alepo, mais de duas mil famílias recebem assistência. Além de ajudar os necessitados com alimentos, apoio médico e aluguel de moradias, a Portas Abertas distribui literatura cristã para crianças e adultos e organiza diversos treinamentos. Tudo isso, só é possível por meio da contribuição de irmãos e irmãs como você. Muito obrigado por servir à Igreja síria conosco!
Pedidos de oração
  • Ore por homens e mulheres como Fathi, que se dedicam a ajudar as pessoas que tiveram de deixar tudo em suas aldeias ou cidades e fugiram para Alepo. Que eles sejam fortalecidos pelo Senhor.
  • Peça a Deus para que todos afetados pela guerra civil consigam lidar com os traumas que tantos anos de guerra provocam.
*Nome alterado por motivos de segurança.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

Sua oração pode continuar transformando a China

A história da Igreja chinesa é inspiradora. Mesmo sob severa perseguição, um grande avivamento tomou conta do país. De 1 milhão de cristãos em 1949, a Igreja hoje conta mais de 80 milhões de pessoas, mas ainda há muito o que fazer
25_China_0300100083.jpg
O avivamento cristão que aconteceu na China tem impactado o país há mais de três décadas. Dezenas de milhões de pessoas aceitaram a Cristo como seu Senhor. É possivelmente o exemplo mais significativo e duradouro na história da Igreja. Mas existem algumas regiões da China que ainda estão à espera desse avivamento.
Recentemente, uma equipe da Portas Abertas visitou as províncias de Gansu, Ningxia e Qinghai, que são habitadas principalmente pela minoria muçulmana da China. Dez dos 55 grupos minoritários na China são muçulmanos, totalizando mais de 20 milhões de pessoas. Os Hui são um dos maiores grupos de pessoas na região e um dos mais resistentes ao evangelho.
O islã que eles praticam é, muitas vezes, uma variação popular, que incorpora o culto aos antepassados, por exemplo. As pressões sociais e culturais para permanecer em suas tradições fizeram do crescimento da Igreja um esforço lento e dificultoso na área.
Ao longo dos anos, a Portas Abertas mudou o foco do seu ministério na China. Há agora uma ênfase na mobilização de cristãos chineses para servir os cristãos perseguidos na China e no mundo. Igrejas chinesas da etnia Han estão sendo incentivadas a se envolver com o grupo mais perseguido na China: os ex-muçulmanos.
Ore para que o evangelho continue se espalhando pela China, para que os grupos mais afastados e fechados sejam impactados por esse avivamento.

FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

A sua oração tem fortalecido a Igreja no Iraque

Os últimos acontecimentos no Iraque fizeram com que dois participantes em um curso on-line da Portas Abertas – oferecido através de um parceiro local – colocassem em prática os conceitos que eles aprenderam muito mais cedo do que o esperado
25_Iraq_0380009881.jpg
O Iraque está em crise. Milhares e milhares de cristãos fugiram de suas casas com medo do terror do Estado Islâmico (EI). Pouco antes da atual crise, a Portas Abertas ofereceu um curso on-line pastoral aos seminaristas através de um parceiro local. Quando o tumulto começou, dois participantes, Martin e Daniel, foram levados a colocar as coisas que eles aprenderam em prática, muito mais cedo do que esperavam.
Quando Martin ainda estava sentado nos bancos confortáveis do seminário, há alguns meses, ele contou como a oração era importante para ele. "Sem oração eu me sinto alienado de tudo", disse ele. Agora, nesta situação de crise, ele enfatiza o quanto isso ainda é verdade para ele: "A confiança em Deus e na oração é o que me faz continuar firme nestes dias difíceis".
Daniel compartilha que se sente motivado pela oração e apoio que recebe da Igreja em todo o mundo: "Quando eu assisti a um vídeo de encorajamento que me mostrou milhares de cristãos orando por nós, eu queria chorar. Quando estamos em uma situação como essa, achamos que o mundo se esqueceu de nós, mas agora vejo que nossos irmãos estão intercedendo por nós”.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

“Mesmo depois de seis anos, a justiça para as vítimas é um sonho distante”

Para muitos, que não foram pessoalmente afetados pelos motins anticristãos em Orissa, no ano de 2008, os eventos tornaram-se história. Mas, para aqueles que enfrentaram a forte violência e perseguição, as cicatrizes da tragédia continuam recentes
24_India_0550100030.jpg
"Embora o governo tenha feito várias promessas para as vítimas dos motins de 2008, seis anos após o massacre, as promessas nunca se materializaram," diz Pramod Raul, um líder cristão de Orissa envolvido em trabalho de apoio. "A ajuda que foi prometida nunca chegou às vítimas."
De acordo com a Associação Evangélica da Índia (EFI, sigla em inglês), as estatísticas mostram que dos 827 Relatórios de Primeiras Informações que foram preenchidos, as acusações foram averiguadas em apenas 512 casos. Desses, apenas 75 acabaram em condenações, sendo que somente 477 pessoas foram condenadas, a maioria por delitos menores ou insignificantes, como a queima de casas e destruição de propriedade. Até o momento, apenas nove pessoas foram condenadas por sua atuação na morte dos cristãos.
"As vítimas de 2008 foram desiludidas pelo governo e por ONGs," diz Rajkumar, um advogado cristão e ativista de Orissa. "Mesmo depois de seis anos, a justiça para as vítimas é um sonho distante. No entanto, a comunidade internacional tem desempenhado um papel importante em trazer a questão para discussões de nível internacional.”
A extensão do sofrimento da comunidade cristã de Orissa continua a ser inimaginável. Junto com a reconstrução das estruturas físicas das casas e igrejas destruídas nos motins, há o maior desafio de reconstruir a vida das pessoas e comunidades que foram desfeitas. Já se passaram seis anos e ainda pouco, dessa reconstrução que é muito necessária, se concretizou.
FonteInternational Christian Concern
TraduçãoLarissa Cajaíba