quinta-feira, 30 de abril de 2015

71 pessoas são condenadas à prisão por queimar igreja egípcia

30 abr 2015EGITO

Um tribunal egípcio condenou 71 pessoas por atacar e queimar uma igreja copta em resposta à remoção do ex-presidente islamita Mohamed Morsi, em 2013, relata o periódico Ahram Online
30_Egito_0340100575
A igreja, localizada na província de Giza, vila Kafr Hakim, foi incendiada e saqueada por uma multidão em 14 de agosto de 2013. Os encargos múltiplos contra os acusados incluem fomentar o caos, pertencer a um grupo ilegal, posse de armas e tentativa de homicídio.

Um total de 52 réus foram julgados, com 21 já presos. Dois menores foram condenados a 10 anos de prisão. Sob o código penal do Egito, uma sentença de vida corresponde a 25 anos de prisão. Todos os vereditos podem ser apelados.
Pelo menos 42 igrejas e várias empresas e casas cristãs foram alvo em todo o Egito por apoiadores da Irmandade Muçulmana depois de os militares egípcios usarem a força para dispersar manifestantes no Cairo exigindo a reintegração de Morsi.

Partidários do presidente deposto se irritaram com o apoio aberto dos cristãos para a intervenção militar contra Morsi liderada pelo general Abdel Fattah al-Sisi – que é o atual presidente egípcio.

Entenda o caso73 igrejas são queimadas no Egito
Egito: Igrejas danificadas começam a reabrir
FonteWorld Watch Monitor
TraduçãoAna Luíza Vastag

Mais 160 mulheres são libertas na Nigéria

30 abr 2015NIGÉRIA

O Exército da Nigéria divulgou hoje (30) a libertação de mais 160 reféns do grupo radical islâmico, Boko Haram, em Sambisa, aumentando para quase 500 o número de mulheres e meninas resgatadas nessa semana
30_Nigeria_0270100244
No confronto durante o resgate, uma mulher morreu e oito ficaram feridas. Segundo o Exército, algumas foram usadas como escudos humanos pelo grupo terrorista. Além dessas reféns, um soldado nigeriano morreu e quatro ficaram feridos.
Boko Haram já sequestrou mais de 2 mil mulheres na Nigéria e, segundo comunicado feito pelo diretor da Anistia Internacional, "isto [resgate de quase 500 mulheres nessa semana] é só a ponta do iceberg".
Na última terça-feira (28), foram resgatadas 293 mulheres e meninas, nessa mesma região, em uma ação do Exército nigeriano. Autoridades do país informam que ainda não é possível confirmar se as meninas do Chibok estão entre as libertas.
Pedidos de oração
  • Agradeça a Deus pela libertação dessas mulheres e meninas e peça a Deus que conforte o coração das reféns ainda não encontradas, que a graça de Deus as alcance e que elas permaneçam firmes.
  • Ore para que Deus continue dando estratégias ao Exército nigeriano no resgate dessas mulheres e meninas sequestradas.
  • Ore pelos membros do grupo radical islâmico, que eles tenham um encontro pessoal com Jesus e se arrependam de seus atos.
FonteAFP, Portas Abertas Internacional

Igreja na Malásia é forçada a derrubar a cruz do prédio

30 abr 2015MALÁSIA

Em 19 de abril, uma semana depois de uma nova igreja ter sido inaugurada, os manifestantes se reuniram em frente ao templo e exigiram que a cruz que estava pendurada em destaque na frente do edifício fosse derrubada 
30_Malasia_0380100264
Os manifestantes temiam que a igreja estivesse envolvida com o proselitismo a muçulmanos. "Eles estavam exigindo que as operações da igreja cessem completamente, mas conseguimos convencê-los a ficar satisfeitos que a igreja apenas derrubasse o símbolo da cruz", disse Abdullah, um ancião da comunidade e um dos líderes dos manifestantes.
Para evitar problemas, a liderança da igreja retirou a cruz duas horas mais tarde, mas a notícia foi viral e criou uma tempestade de protestos de muitos políticos, ONGs e grupos religiosos – incluindo alguns grupos muçulmanos moderados condenando a intimidação como um “ato estúpido de ódio”.
"A cruz é um símbolo sagrado para a comunidade cristã. Forçá-los a remover o símbolo é inaceitável e desrespeitoso para a comunidade cristã”, afirmou o ministro-chefe Azmin Ali a um jornal local.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

Igrejas do Quênia sofrem ameaças de ataque

29 abr 2015QUÊNIA

A polícia no Quênia emitiu um aviso de que as igrejas e a universidade de Nairóbi estão em risco de um novo ataque do grupo islâmico radical Al-Shabaab
29_Quenia_Reuters
O alerta, que circulou através do gabinete do presidente em 23 de abril, afirma que o Al-Shabaab enviou espiões para promover “ataques de alta escala” em “datas não específicas”.
A carta alega que as principais metas incluem a Igreja Pentecostal de Nairóbi e outras congregações, bem como a universidade e o parlamento. Um funcionário do parlamento ligado a uma mesquita e nomeado na carta já foi detido.
Os alvos listados acima terão “segurança redobrada”. O alerta foi enviado dias depois do ataque acontecido em 2 de abril, pelo Al-Shabaab, em uma universidade em Garissa, onde estudantes cristãos foram identificados. Esse ataque deixou 149 mortos.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Mulheres e meninas são resgatadas por Exército nigeriano

29 abr 2015NIGÉRIA

O Exército da Nigéria anunciou ontem (28) o resgate de 293 mulheres e meninas sequestradas pelo grupo radical islâmico, Boko Haram, no bosque de Sambisa, considerado base do grupo terrorista
7_Nigeria_0430100619
Autoridades nigerianas informaram que ainda não é possível confirmar se as meninas do Chibok, sequestradas há pouco mais de um ano por esse mesmo grupo a cerca de 100 quilômetros de Sambisa, estejam entre as libertadas. O porta-voz do Exército, Chris Olukolade, assegurou que as vítimas estão sendo submetidas a um processo de identificação.
Desde fevereiro, quando o Exército nigeriano e governos regionais lançaram uma ofensiva conjunta contra o grupo, várias ações têm obtido sucesso. A Nigéria recebe apoio dos vizinhos Níger, Chade e Camarões e a libertação dessas 293 mulheres pode ser considerada como o ápice dessa força conjunta.
O Boko Haram, que ainda controla amplas áreas do Norte da Nigéria de maioria muçulmana, acaba de jurar fidelidade ao grupo terrorista Estado Islâmico, que proclamou um "califado" em zonas do Iraque e da Síria.
FonteAgência Brasil, Portas Abertas Internacional

“Pessoas desaparecem todos os dias”

28 abr 2015ERITREIA

Eritreus e sírios são as nacionalidades mais comuns encontradas entre aqueles que se arriscam na travessia marítima do norte da África para a Europa
28_Eritreia_0270001238.jpg
Entre os 800 imigrantes que se afogaram quando seu navio naufragou na costa italiana, havia cerca de 150 da Eritreia.
O jornal The Guardian publicou um artigo no qual se refere a muitos refugiados eritreus não como são chamados comumente, de "migrantes económicos", mas pessoas que estão desesperadas pela liberdade. "Na Eritreia as pessoas têm medo até de falar com a própria família," disse Sofia ao repórter. "A pessoa ao meu lado [em um café] pode ser um espião, e estar olhando para o que eu estou fazendo. Pessoas desaparecem todos os dias."
Ela conta uma história arrepiante de como uma amiga cometeu o erro inocente de puxar conversa com um homem em um café que mais tarde acabou por ser da embaixada da Líbia. "Eles estavam apenas conversando. Mas disseram que ela era uma espiã, passando informações para ele. Nós não sabemos o que aconteceu com ela. Ela está na prisão até agora. Um dia eles nos disseram que ela estava no hospital com pressão arterial alta, mas estávamos com tanto medo que nós não fomos visitá-la porque temíamos que eles nos prendessem também. "

A Eritreia ocupa o 9º lugar na Classificação da Perseguição Religiosa. A "Frente Popular para a Democracia e Justiça" exerce um controle absoluto sobre seus cidadãos, incluindo a sua vida religiosa. Todos os grupos religiosos devem ser registrados. Os cristãos são considerados uma ameaça para o Estado; suas casas são atacadas, e eles são torturados, espancados e presos em condições horríveis. Alguns são detidos em contêineres de metal em altas temperaturas.
Uma mulher cristã que foi presa por seguir a Jesus, foi colocada em uma pequena cela com outras 55 mulheres.
"Estávamos tão amontoadas dentro da cela, que não poderíamos sentar corretamente, e muito menos nos deitar para dormir", disse ela à Portas Abertas. "Fomos forçadas a trabalhar longas horas sem descanso. Meu comandante imediato foi especialmente cruel."
"Em um sonho, uma noite, me vi lutando com um homem muito forte e eu o derrotei. No sonho, eu estava surpresa com a minha força e me perguntei como eu tinha conseguido derrotá-lo."
Um colaborador da Portas Abertas nos disse: "A nossa oração é que a Comissão de Inquérito traga uma maior consciência da situação de eritreus em geral, e os cristãos em particular, e ajude a promover a mudança para os nossos irmãos e irmãs no país. Queremos ver os cristãos terem liberdade para adorar nosso Senhor Jesus abertamente ".
FontePortas Abertas Internacional, The Guardian
TraduçãoAna Luíza Vastag

Cristãos no Níger ainda tentam se recuperar de ataques a igrejas

28 abr 2015NÍGER

Grande parte dos meios de comunicação ocidentais ignora a dura hostilidade dirigida contra os cristãos na África, em geral. Depois dos ataques de 16 de janeiro por parte de membros do islamismo radical, que saquearam e queimaram cerca de 70 igrejas e dezenas de outras casas e empresas cristãs no Níger, a comunidade cristã ainda tenta se reerguer
28_Niger_0430100810
Em paralelo ao Al-Shabaab, o Estado Islâmico e o Boko Haram, que são vistos frequentemente nas manchetes por perseguirem os seguidores de Jesus na África, os cristãos ainda estão sofrendo no Níger. Após o ataque islamita na revista satírica francesa Charlie Hebdo, em janeiro, os muçulmanos queimaram dezenas de igrejas no Níger, deixando inúmeros cristãos desabrigados e sem um prédio para adorar ao Senhor aos domingos.
A publicação francesa satírica Charlie Hebdo publicou uma charge do profeta muçulmano Maomé; em retaliação, seu escritório em Paris foi posteriormente atacado, em 7 de janeiro, por dois pistoleiros muçulmanos, matando 12 pessoas.
Como resposta ao ataque, a Charlie Hebdo publicou uma charge provocativa do profeta Maomé que desencadeou ataques contra os cristãos e suas igrejas no Níger em 17 de janeiro.
Multidões de muçulmanos enfurecidos queimaram e destruíram um total de 69 igrejas, bem como inúmeros lares cristãos, e matou 10 pessoas na violência que atingiu a capital do país, Niamey.
FonteChristian Today
TraduçãoAna Luíza Vastag

Atraso no processo de transição preocupa cristãos do Nepal

28 abr 2015NEPAL

Com os tremores de terra e terremoto que ocorreram no país no último final de semana, deixando milhares de mortos, organizações de todo o mundo se levantaram para ajudar o Nepal que ainda é um dos mais pobres e isolados países da Ásia. Apesar da imagem turística atraente para alpinistas e mochileiros, principamente do ocidente, o Nepal ainda está superando o legado de mais de 10 anos de insurgência maoísta e a abolição definitiva de sua monarquia
28_Nepal.jpg
O país de maioria hindu ainda tenta estabelecer a sua nova Constituição, uma tratado fundamental com os maoístas no final da guerra civil.

“Não há muito mais o que ser discutido antes de partidos políticos do Nepal chegarem  a um consenso sobre o que Constituição”, relatou um líder de um dos partidos do governo na semana passada. KP Sharma Oli do partido marxista-leninista United disse que é improvável que isso esteja pronto até a última data dada como prazo, 29 de maio, e que o país pode até ter que esperar mais um ano.

Estes novos atrasos preocupam os cristãos do país esperançosos que a nova Constituição irá garantir-lhes igualdade de direitos e liberdades religiosas. Os cristãos esperavam que antes de 13 de abril, esse assunto já tivesse concluído. Representando 3% da população nepalesa, os cristãos, que já enfrentam a perseguição e desigualdades há décadas, não têm certeza sobre o seu futuro.

Segundo K.B. Rokaya, um ex-membro da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Nepal a Constituição tem que garantir que haverá plena liberdade religiosa porque a laicidade não significa sempre a liberdade religiosa, como já foi comprovado em outras partes do mundo. “Temos que definir pela plena liberdade religiosa, que cada cidadão tenha liberdade de escolher sua religião e que eles sejam verdadeiramente livres para compartilhas sua fé com outras pessoas”, conclui.

"Nós definimos a plena liberdade religiosa ... o conselho inter-religioso no Nepal, também falou sobre este e outros grupos religiosos minoritários ... o que temos definido é que cada cidadão terá a liberdade de escolher a religião de sua escolha, o número um . O número dois é que as pessoas serão livres para compartilhar sua fé com seus concidadãos. E, em seguida, também, as pessoas devem ter a liberdade de não acreditar em nenhuma religião. "

E quando os cristãos no Nepal falam sobre o direito de praticar a sua fé, se referem ao direito de abrir e frequentar igrejas, bem como o direito de enterrar seus mortos, que tem sido negado pela autoridade vigente.

Pedidos de Oração
  • Ore para que os nepaleses sejam consolados pelas mortes dos milhares de cidadãos, devido ao terremoto no último final de semana.
  • Que os cristãos possam testemunhar do amor de Deus àqueles que estão feridos e às famílias dos que morreram
  • Clame a Deus por misericórdia e graça sobre esse país
FonteWorld Watch Monitor

Começa hoje a Semana pela Liberdade na Coreia do Norte

27 abr 2015COREIA DO NORTE

Ao longo desta semana, pessoas de todo o mundo se reunirão em Washington para reconhecer o sofrimento dos refugiados norte-coreanos e os prisioneiros de consciência, entre eles, milhares de cristãos
27_NorthKorea_0360100098
A Semana pela Liberdade na Coreia do Norte (NKFW, sigla em inglês) é parte de um esforço anual para sensibilizar para as trágicas violações dos direitos humanos realizadas contra o povo da Coreia do Norte. A NKFW é patrocinada pela Coligação pela Liberdade na Coreia do Norte, um grupo de mais de 40 ONGs não partidárias, das quais a Portas Abertas nos Estados Unidos é membro.

Os membros da coalizão são todos de partidos políticos e confissões religiosas, mas compartilham a visão de que a promoção dos direitos humanos na Coreia do Norte deve ser o foco principal de todas as decisões políticas que envolvem a Coreia do Norte.
Entre aqueles que integram os eventos da Semana em Washington há uma delegação de desertores norte-coreanos, indivíduos que sofreram sob o regime e que irão compartilhar suas experiências em primeira mão.
A programação inclui várias atividades, tais como vigílias de oração, audiências no Congresso e um comício. Desertores norte-coreanos irão partilhar as suas histórias em vários eventos ao longo da semana.

Pelo 13º ano consecutivo, a Coreia do Norte é classificada como o país mais opressor aos cristãos, ocupando a primeira posição na Classificação da Perseguição Religiosa da Portas Abertas, em 2015. A adoração obrigatória ao líder Kim Jong-Um e seus antecessores deixa pouco espaço para quaisquer outras religiões, e os cristãos enfrentam uma pressão inimaginável em todas as esferas da vida. Continue a orar pelos mais de 50 mil cristãos encarcerados em campos de trabalho forçado da Coreia do Norte.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag

Cristãos no Oriente Médio estão sendo 'erradicados', diz premiê francês

27 abr 2015ORIENTE MÉDIO

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, considerou nesta sexta-feira (24) que os cristãos no Oriente Médio "estão sendo erradicados" e pediu "o fim do extermínio" conduzido pelo grupo Estado Islâmico, principalmente no Iraque e na Síria
27_OrienteMedio_0380100850
"Devemos dar nome às coisas, estabelecer a verdade: os cristãos do Oriente Médio – o que é também o caso de outras minorias – estão sendo erradicados nesta região por meio deste terrorismo arrasador", declarou durante uma cerimônia em Paris pelo centenário dos massacres que deixaram 1,5 milhão de mortos entre seus ancestrais pelo Império Otomano.
"O destino dessas pessoas foi discutido no Conselho de Segurança da ONU pela primeira vez há algumas semanas, por iniciativa da França. Temos de pôr fim ao extermínio realizado pelo Daesh", insistiu, utilizando a sigla em árabe do grupo Estado Islâmico (EI).

"Não devemos esquecer os genocídios, e isso também significa fazer de tudo para evitá-los, enquanto ainda há tempo", acrescentou o chefe de governo, pedindo "vigilância para o destino dos armênios na Síria".
Pelo menos 300 mil cristãos fugiram da Síria desde o início da guerra, em 2011, e restam apenas cerca de 400 mil cristãos no Iraque, contra cerca de 1,4 milhão existentes em 1987.
FonteG1

Em audiência jurídica na Malásia o uso da palavra “Alá” é discutido mais uma vez

27 abr 2015MALÁSIA

Na última quinta-feira, 23 de abril, o Tribunal de Recurso da Malásia ouviu o apelo feito por uma cristã pelo direito de usar a palavra “Alá” (termo árabe usado para ”Deus”). Na audiência, porém, não foi possível acordar uma decisão. Os três juízes não deram uma razão para o adiamento da conclusão do caso
27_Malasia_0500100049
O advogado de Jill Ireland argumentou que ela tem o direito previsto na Constituição para a prática de sua liberdade de religião. Ela é de Sarawak, Malásia Oriental, que é 42 por cento cristã: em sua língua malaia, "Alá" foi usado por cristãos há mais de 100 anos.
Jill tem argumentado contra o governo malaio depois de seus oito CDs terem sido confiscados em 2008. No mês passado, ela ganhou o processo contra o Conselho Islâmico de Lumpur Kuala.
Em paralelo, tem sido debatido nos tribunais outro caso, semelhante a esse, sobre o direito do jornal semanal Herald de usar a palavra "Alá" para "Deus".
No entanto, o seu editor, Lawrence Andrew, perdeu uma batalha legal de sete anos, em 21 de janeiro, quando o Tribunal Federal finalmente determinou que ele já pode chamar Deus de "Alá" em sua publicação. Nessa decisão, o Tribunal Federal concordou com o governo que o uso de "Alá" no Herald iria confundir muçulmanos malaios e, portanto, promover negativamente a fé cristã entre eles.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAna Luíza Vastag